Jesus Cristo existiu?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Jesus Cristo existiu?

Mensagem por Thales em Seg Set 29, 2008 1:53 pm

Sobre Jesus Cristo:

cloverfield escreveu:Levando-se em consideração que ele realmente existiu, já que na sua época existiam grandes historiadores e nenhum deles fala nada sobre ele.
avatar
Thales
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 252
Data de inscrição : 08/08/2008
Localização : Petrópolis

Ver perfil do usuário http://quemtembocavaiaroma.livreforum.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Jesus Histórico

Mensagem por Pe. Leo em Ter Set 30, 2008 5:23 pm

Caro Tales, gostei de ter separado este Tópico. Temos sim referencias de Cristo. Colocarei agora somente as que se encontram em textos nao cristaos e só até a primeira metade do século II:

1) antes de mais nada , temos q considerar que a Palestina nos tempos de Jesus era uma terra insignificante e que só dava trabalho para o império. Há historiadores ( Ex: le Glay, Voisin e Le Bohec) que afirmam que ser mandado para a Judéia como governador ou general era um castigo para aqueles q se portaram mal ou eram inimigos políticos do imperador ou de alguém do senado.... bem só para dizerq nao era uma terra tao importante e daí se entenda nao termos tantas referencias históricas.

2) O texto masi antigo onde se menciona Jesus é o do Filósofo estóico Mara bar Sarapion, da Síria, que no ano 73, se refere a Jesus como "sabio Rei dos judeus, que promulgou novas Leis e que nao adiantou nada aos judeus a sua morte." Mas é um testemunho implícito.

3) e forma explícita, temos o famoso historiador Judeu Flavio Josefo ,q em sua Clássica obra Antiguidades Judaicas( 18,63-64) faz referencia à morte de Sao tiago, discípulo do rabi Jesus. Em outra obra, Testimonium Flavianum, livro XVIII, cita assim: "por esta época viveu Jesus, um homem sábio, se é q podemos chamar-lhe homem, porque levava a cabo obras prodigiosas, mestre de pessoas q recebiam com alegria sua mensagem. Teve boa conduta e era conhecido pro ser virtuoso. Teve como discípulos a muitas pessoas entre os judeus e entre os outros povos. Pilatos o condenou a ser crucificado e morrer. Mas os que se fizeram seus diiscípulos nao abandonaram seu discipulado e contaram q este lhes apareceu 3 dias depois da crucificaçao e q estava vivo. e q por isso poderia ser o Messiasdo qual os profetas tinham dito coisas maravilhosas."

4) Entre os historiadores Romanos, de forma mais distante PLINIO, O JOVEM,( Epístola X, 96,97) fala da referencia aos cristaos como uma supertiçao sobre um tal Jesus que foi morto na cruz.

5) TÁCITO ( Annales XV, 44) , ao falar do incêndio de Roma na época de Nero, ciatndo os cristaos os define como" ...este nome lhes vem de Cristo, que tinha sido entregue ao suplício pelo procurador Poncio Pilatos , durante o principado de Tibério"

6) SVETONIUS( Vita Neronis, XVI), dizia:" expulsou de Roma aos Judeus , q nao cessavam de agitar-se pela influència de um tal Cristo, ou Chrestos".

7)Vale tb a pena citar o Talmud Babilonico, texto Judaico,que diz assim " na vespera da pascoa, penduraram a Jesus ...nao teve ninguém que o defendesse, e por isso o mataram na véspera da Pascoa. Era tido como magico e bruxo"

Bom , tenho q parar por aqui pois o Tempo nao me permite mais. Mas acho q deu para dar um pincelada. Depois o Levi complementa. abraços.

Very Happy Colocado por Sardinha e copiado por pe leonardo para complementar a resposta:

Considerações Sobre a Existência de Jesus Cristo

Para o leitor ter uma idéia do quanto à existência de Cristo é rica em suas fontes, analisemos analogamente a biografia de Alexandre (o Grande) e Jesus. As duas biografias mais antigas sobre a vida de Alexandre foram escritas por Adriano e Plutarco depois de mais de 400 anos da morte de Alexandre, ocorrida em 323 a.C. e mesmo assim os historiadores as consideram muito confiáveis. Para a maioria dos historiadores, nos primeiros 500 anos, a história de Alexandre ficou quase intacta. Portanto, comparativamente, é insignificante saber que os evangelhos foram escritos 60 ou 30 anos (isso no máximo) depois da morte de Jesus e esse tempo seria insuficiente para se mitificar um indivíduo.
Por exemplo, embora os Gathas de Zoroastro, que datam de 1000 a.C., sejam consideradas autênticas, a maior parte das escrituras do zoroastrismo só foram postas por escrito no século III d.C. A biografia pársi mais popular de Zoroastro foi escrita em 1278 d.C. Os escritos de Buda, que viveu no século VI a.C., só foram registrados depois da era cristã. A primeira biografia de Buda foi escrita no século I d.C. Embora as palavras de Maomé (570-632 d.C.) estejam registradas no Alcorão, sua biografia só foi escrita em 767 d.C., mais de um século depois de sua morte. Portanto, o caso de Jesus não tem paralelo, e é impressionante o quanto podemos aprender sobre ele fora do Novo Testamento... Ainda que não tivéssemos nenhum dos escritos do Novo Testamento e nenhum outro livro cristão, poderíamos ter um prisma nítido do homem que viveu na Judéia no século I. Saberíamos, em primeiro lugar, que Jesus era um professor judeu; segundo, muitas pessoas acreditavam que ele curava e fazia exorcismos; terceiro, algumas acreditavam que ele era o Messias; quarto, ele foi rejeitado pelos líderes judeus; quinto, foi crucificado por ordem de Pöncio Pilatos durante o reinado de Tibério; sexto, apesar de sua morte infame, seus seguidores, que ainda acreditavam que ele estivesse vivo, deixaram a Palestina e se espalharam, assim é que havia muitos deles em Roma por volta de 64 d.C.; sétimo, todo tipo de gente, da cidade e do campo, homens e mulheres, escravos e livres, o adoravam como se ele fosse Deus. Sem dúvida a quantidade de provas corroborativas extrabíblicas é muito grande. Com elas, podemos não somente reconstruir a vida de Jesus sem termos de recorrer à Bíblia como também ter acesso à informação sobre Cristo por meio de um material mais antigo do que os próprios evangelhos.
Conclusão

Pelo que argumentamos acima, diante de tão significativa testemunha documental, podemos afirmar que verdadeiramente Jesus Cristo é um homem da História, tanto que ele a dividiu em antes e depois dele. O pesquisador que acurar a questão sem preconceito chegará à conclusão que as provas são substanciais. As provas existem, mas quem quiser escapar a elas, escapa. Como se, afinal de contas, Jesus nos quisesse deixar a decisão de lhe conceder um lugar na história, na nossa história. Recordemos quando Ele devolveu a pergunta aos apóstolos: "E vós, quem dizeis que eu sou?".


Última edição por Pe. Leonardo em Qua Out 08, 2008 5:26 pm, editado 2 vez(es)
avatar
Pe. Leo
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 148
Data de inscrição : 05/09/2008
Idade : 34
Localização : Petrópolis, RJ

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por Thales em Qua Out 01, 2008 2:37 pm

Por favor, prove que cristo existiu primeiro.
Na epoca em que ele vivia existiam grandes historiadores romanos e judeus e nenhum deles fala nada de jesus.
Nao existe sequer uma prova arqueologica disso.

Alem disso, voce ja considerou a quantidade de pessoas que, na epoca, se diziam messias nascidos de virgens? (ate um deus egipcio ja passou por isso)
Originalmente postado por cloverfield em Teria Cristo realmente se sacrificado?.
avatar
Thales
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 252
Data de inscrição : 08/08/2008
Localização : Petrópolis

Ver perfil do usuário http://quemtembocavaiaroma.livreforum.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Messias

Mensagem por Pe. Leo em Qui Out 02, 2008 9:00 am

Alem disso, voce ja considerou a quantidade de pessoas que, na epoca, se diziam messias nascidos de virgens? (ate um deus egipcio ja passou por isso)

Que quantidade é essa? Em que lugar eles estavam? Onde estao comprovados historicamente seus nomes, já q tínhamos grandes historiadores? Em que escritos? E qual dos deuses egípcios? Como se considerava a maternidade virginal no Egito? Vc conhece a hierodulia do mundo antigo? Sao todas estas questoes que necessitam matiz concreto para serem colocadas como argumento.
avatar
Pe. Leo
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 148
Data de inscrição : 05/09/2008
Idade : 34
Localização : Petrópolis, RJ

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por são vieira em Sab Jul 18, 2009 3:43 pm

questão interessante mas tem resposta mas tenho de arranjar provas para tal... até breve

são vieira

Mensagens : 578
Data de inscrição : 15/07/2009
Idade : 36
Localização : portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por M.Levi em Dom Jul 26, 2009 7:36 pm

O que as vezes salta aos olhos nessa questão é que certos grupos (sensacionalistas) não afirmam a existência do Cristo, porém são imperativos em dizer que ele casou, que teve filhos, que está enterrado....
Parece que as pesquisas mais proeminentes tende a ser conclusivas e afirmam com certas provas externas ( Estela de Poncio Pilatos, e outros dados já citados pelo Pe Léo) a figura do Cristo.
avatar
M.Levi
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 147
Data de inscrição : 24/08/2008
Idade : 35
Localização : Petrópolis

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por Thiago S. R. Contarato em Sab Out 17, 2009 12:10 am

Oi pessoal! Pedi para o Tales reabrir o tópico para eu colocar algumas coisas que podem ser interessantes.

O Pe. Leo já fez quase todo o trabalho citando fontes não-cristãs. Só o que pretendo fazer um certo complemento.

Temos algumas coisas importantes que podem nos levar a uma exatidão acerca da existência de Jesus:

1-O Santo Sudário (mais científico):

Quanto a ele, para não me estender muito, indico-vos este site que, embora seja tradicionalista, possui esse texto muito bom:

Gozzani, Sidney - "O Santo Sudário"
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/index.phpsecao=cadernos&subsecao=ciencia&artigo=sudario&lang=bra Online, 16/10/2009 às 22:36h

Vou colocar de modo suscinto a história da análise científica do Santo Sudário:

Análise do linho:
Gilbert Raes, professor do Instituto Ghent de Tecnologia Têxtil da Bélgica examinou alguns fios retirados do tecido por um grupo científico em 1973. Ele observou que:
-Havia vestígios de algodão entre as fibras de linho, de onde se conclui que o pano foi tecido num tear também usado para algodão. É claro que o algodão cresce em terras do Oriente Médio, mas não na Europa.
-A textura do linho era de um tipo comum no Oriente Médio no primeiro século da nossa era.

Análise do pólen (prova bem evidente):
"Dr Max Frei Sulzer, renomado criminologista suíço, fundador e durante vinte e cinco anos diretor do serviço científico da Polícia de Zurique, botânico autodidata e protestante."
"No dia quatro de Outubro de 1973, quando procedia a análise das fotografias do Sudário, notou que a superfície do tecido estava coberta de pequenas partículas de poeira. Pediu e obteve permissão para retirar amostras com fita adesiva limpa sobre a superfície do linho."
"Frei compreendeu que:
-identificando os polens, identifica as plantas.
-identificando as plantas, identifica os lugares e as épocas."

"Ele descobrira grânulos de pólen de plantas da França, Itália, e de vegetação que cresce em zonas áridas e floresce em épocas diferentes no Oriente Médio. Mas o pólen mais freqüente no Sudário é o mesmo pólen fóssil abundante nos sedimentos do lago de Genesaré e do mar Morto, depositados há cerca de dois mil anos. "

"Flores podem ter sido colocadas no Sudário também na hora do sepultamento. Um estudo com aplicação da técnica de sobreposição de luz polarizada, feito por Alan Whanger, professor da Duke University Medical Center de Durham (EUA), identificou vinte e oito flores que florescem entre Março e Abril na Palestina. Frei havia encontrado polens de vinte e cinco delas."

Análise do sangue:

"No Sudário são muito evidentes algumas zonas com manchas de sangue. Em 1978 foram tiradas amostras dessas zonas, com fitas adesivas, pelo Dr Pierre Luigi Baima-Bollone e Raymond Rogers, do grupo norte-americano da STURP.
Rogers deu algumas dessas fitas a Walter McCrone e à equipe formada pelo Dr John H. Heller e Alan Adler, de Connecticut"

"Na Itália, o Dr. Bollone informou que o sangue era humano do tipo AB.

Nos Estados Unidos, McCrone informou que as manchas não eram de sangue, e sim de pigmentos terrosos ocre-avermelhados, concluindo que as manchas no pano eram pigmentos feitos por um artista."

"No entanto, ainda nos Estados Unidos, os Drs Adler e Heller concluíram que as manchas eram de sangue verdadeiro, de tal modo que o judeu Adler declarou: “É tão certo que existe sangue no Sudário como em nossas veias”. Assim como seu colega italiano Bollone, Adler constatou ainda que as manchas são de cor vermelho vivo, aparentemente estranha para amostras de sangue antigo, mas explicado pela grande quantidade de bilirrubina, sinal de que a pessoa da qual o sangue provém esteve fortemente traumatizada pouco antes da morte."

Em seu livro “A Verdade sobre o Sudário” Kenneth Stevenson, relator da STURP, diz que “As análises microqúimicas revelaram a não–existência de corantes, manchas, pós, tintas, ou instrumentos de pintura no Sudário. Foram realizados vários testes, inclusive o de fotoreflectância e o da fluorescência ultravioleta, todos eles chegando a resultados unânimes de que não havia nenhuma possibilidade de falsificação ou fraude. De modo particular, a fluorescência por raio-X foi considerado o melhor teste para detectar qualquer tipo de fraude, e não revelou a presença de nenhum elemento estranho que pudesse ter contribuído para a formação da figura.”

"O Dr. Leoncio Garza-Valdes, em posse das amostras de sangue da região occipital da imagem dorsal do Sudário, extraídas por Riggi em 1988, na mesma ocasião das amostras dos testes radiocarbono, não só constatou o sangue humano, identificando-o como do sexo masculino do tipo AB, como também fez uma análise de DNA, clonando-o."

"O estranho é que as conclusões errôneas de McCrone sejam ainda amplamente divulgadas."

"Além da confirmação do sangue no Sudário, as marcas de sangue estão em perfeita correspondência com a anatomia, isto é, sangue arterial e sangue venoso nos seus respectivos lugares. Como se sabe, a Medicina só descobriu a diferença dos dois fluxos sangüíneos no final de 1500. É impossível separar artificialmente, com um pincel, por exemplo, o sangue de uma fase mais densa de uma mais líquida, como está no Sudário."

Problemas na datação pelo C14 de 1988, resolução do problema:

"Em 13 de Outubro de 1988, em conferências quase simultâneas em Turim e Londres, foram divulgados os resultados. O coordenador dos testes, Michael Tite do Museu Britânico, em Londres, dava entrevista, juntamente com os Professores Edward Hall e Robert Hedges, de Oxford. Atrás deles em um quadro negro estava escrito triunfalmente: 1260 – 1390!"

"A guerra é frontal e aberta contra o Sudário. No entanto, muitas vozes do mundo científico se ergueram contra esses ataques. Muito mais do que as vozes do clero."

Revestimento Bio-Plástico:

"O Dr Leôncio Garza Valdes, médico e professor da Universidade do Texas, pesquisou e descobriu resíduos orgânicos gerados por bactérias em múmias. Ao tentar data-las pelo processo de radiocarbono descobriu que esses resíduos, que formavam um revestimento bio-plástico sobre os fios do tecido, alteravam o resultado da datação, devido à impossibilidade de se limpá-los de modo adequado."

"Aliás, o Dr Valdes não conseguiu fazer o teste de rádiocarbono exatamente pela dificuldade em se fazer a limpeza. Ele chegou a utilizar exatamente o mesmo processo de limpeza que foi utilizado pelos laboratórios do teste de 1988, e constatou que o revestimento bio-plástico não saia."

"À luz desses estudos, o inventor do processo de datação por rádiocarbono pelo processo usado no Sudário, Harry Gove, teve de declarar em 27 de Janeiro de 1995: “A técnica que se usou em 1988 para a datação do Sudário de Turim por meio do C14 foi inventada em meu laboratório, na Universidade de Rochester, em 1977. Depois dessa datação, estive convencido do resultado durante anos. Recentemente, porém, o doutor Garza Valdés, de San Antonio, Texas, apresentou provas consistentes a respeito de um tipo de contaminação por carbono recente produzida nos fios do Sudário por bactérias que os processos de limpeza usados pelos três laboratórios podem não ter removido. Essa contaminação, de acordo com sua espessura, pode fazer com que a data fornecida pelos três laboratórios seja mais recente”."

Conforme o Dr Valdés e o Dr Kouznetsov, não se aplica testes de rádiocarbono a matérias têxteis como o linho, devido aos seus altos níveis de contaminação sem possibilidade prática de remoção.



Probabilidades:
"Se considerássemos a datação de 1988 como verdadeira, qual seria a probabilidade de um falsário medieval que, inspirando-se no texto dos evangelhos, teria torturado e crucificado um judeu contemporâneo seu, com métodos e características totalmente estranhas à sua cultura, com o objetivo bem claro de construir um falso lençol fúnebre de Nosso Senhor, e deixando propositadamente sobre o tecido marcas invisíveis a olho nu, polens e outros vestígios, observáveis apenas com instrumentação do século XX?"


"No livro de Bruno Barberis e Piero Savarino, eles calculam essa probabilidade de uma em duzentos bilhões."


Aqui tentei colocar as citações principais, de modo a fazer sentido. No site estão mais detalhes de toda a história do Santo Sudário:
http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cadernos&subsecao=ciencia&artigo=sudario&lang=bra

Santo Tomás de Aquino, rogai por nós!
avatar
Thiago S. R. Contarato

Mensagens : 27
Data de inscrição : 27/06/2009
Localização : Magé

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por Thiago S. R. Contarato em Sab Out 17, 2009 2:00 am

Sabemos que estes textos não foram inspirados pelo Espírito Santo, pois não fazem parte do nosso Cânon Bíblico. No entanto, não saberia expor a veracidade histórica dos documentos a seguir. Mas eles são bastantes conhecidos:

2- Ciclo de Pilatos:

Dentro desses textos existem correspondências entre Pilatos e Herodes, Pilatos e Tibério César, de Publius Lentulus à César e Nicefhorus Calixtus à César. Nessas correspondências eles falam de Jesus Cristo:

Muitos sites da web, julgam que existe uma "cópia autêntica" da sentença de Pilatos, no processo de Jesus Cristo, existente num museu da Espanha, chamado "Archivo General de Simancas". Este Arquivo seria um arquivo histórico, acessível apenas a investigadores. De acordo com um artigo publicado no Jornal ABC, a sentença foi catalogada com o número 847 da secção de "Assuntos de Estado" e com o número 1, dentre os documentos relativos à cidade de Roma.

Eis o que seria uma versão portuguesa dessa sentença:


"No ano dezenove de TIBÉRIO CÉSAR, Imperador Romano de todo o mundo, monarca invencível na Olimpíada cento e vinte e um, e na Elíada vinte e quatro, da criação do mundo, segundo o número e cômputo dos Hebreus, quatro vezes mil cento e oitenta e sete, do progênio do Romano Império, no ano setenta e três, e na libertação do cativeiro de Babilônia, no ano mil duzentos e sete, sendo governador da Judéia QUINTO SÉRGIO, sob o regimento e governador da cidade de Jerusalém, Presidente Gratíssimo, PÔNCIO PILATOS; regente na baixa Galiléia, HERODES ANTIPAS; pontífice do sumo sacerdote, CAIFÁS; magnos do templo, ALIS ALMAEL, ROBAS ACASEL, FRANCHINO CEUTAURO; cônsules romanos da cidade de Jerusalém, QUINTO CORNÉLIO SUBLIME e SIXTO RUSTO, no mês de março e dia XXV do ano presente,

EU, PÔNCIO PILATOS, aqui Presidente do Império Romano, dentro do Palácio e arqui-residência, julgo, condeno e sentencio à morte, Jesus, chamado pela plebe - CRISTO NAZARENO - e galileu de nação, homem sedicioso, contra a Lei Mosaica - contrário ao grande Imperador TIBÉRIO CÉSAR.

Determino e ordeno por esta, que se lhe dê morte na cruz, sendo pregado com cravos como todos os réus, porque congregando e ajustando homens, ricos e pobres, não tem cessado de promover tumultos por toda a Judéia, dizendo-se filho de DEUS e REI DE ISRAEL, ameaçando com a ruína de Jerusalém e do sacro Templo, negando o tributo a César, tendo ainda o atrevimento de entrar com ramos e em triunfo, com grande parte da plebe, dentro da cidade de Jerusalém.

Que seja ligado e açoitado, e que seja vestido de púrpura e coroado de alguns espinhos, com a própria cruz aos ombros para que sirva de exemplo a todos os malfeitores, e que, juntamente com ele, sejam conduzidos dois ladrões homicidas; saindo logo pela porta sagrada, hoje ANTONIANA, e que se conduza JESUS ao monte público da Justiça, chamado CALVÁRIO, onde crucificado e morto ficará seu corpo na cruz, como espetáculo para todos os malfeitores, e que sobre a cruz se ponha, em diversas línguas, este título: JESUS NAZARENO, REX JUDEORUM.

Mando, também, que nenhuma pessoa de qualquer estado ou condição se atreva, temerariamente, a impedir a Justiça por mim mandada, administrada e executada com todo o rigor, segundo os Decretos e Leis Romanas, sob as penas de rebelião contra o Imperador Romano.

Testemunhas da nossa sentença:
Pelas dozes tribos de Israel: RABAIM DANIEL; RABAIM JOAQUIM BANICAR; BANBASU; LARÉ PETUCULANI.
Pelos fariseus: BULLIENIEL; SIMEÃO; RANOL; BABBINE; MANDOANI; BANCURFOSSI.
Pelos hebreus: MATUMBERTO.
Pelo Império Romano e pelo Presidente de Roma: LÚCIO SEXTILO E AMACIO CHILICIO."

Também existiria uma versão de uma correspondência que seria a descrição ou retrato de Jesus escrita por Publius lentulus para Tibério César.

Segundo este site, http://br.geocities.com/cepak2001br/cartadepubliolentulo.html, "a CARTA de Pvblivs Lentvlvs pode ser remontada ao tempo de Tertuliano (155-220). Este Pai da Igreja a menciona; dizem alguns que sobre a base de um Transmitido oral. Alguns a remontam ao tempo de Diocleciano, ca. 212. E' de origem grega, talvez, foi traduzida em latim como foi dito, esteve em Constantinopla e foi achada ca. 1240-80, por um preeminente homem da Igreja, num arquivo romano antigo, enviado de Constantinopla a Roma;. divulgada ca. séc. XIII-XIV, parece que em 1421."

Tem umas histórias meio bobas envolvendo "Chico Xavier" e o espiritismo, mas, independentemente disso, existiu um Publius Lentulus, que possivelmente escreveu sobre Jesus para Tibério César:

Eis o texto, que Rafaela Botelho já tinha nos mostrado no tópico "O rosto de Jesus":
"A pessoa de Jesus é de nobre estirpe. Sua aparência é de uma beleza fora do comum, que jaz em sua majestosa maneira de ser.

Usa seus brilhantes cabelos de cor castanha à moda nazarena, divididos ao meio, cobrindo os ombros. A tez de seu rosto é alva e sem rugas; sua fronte é lisa e bela. Nada a acrescentar sobre o formato de seu nariz e sua boca. Sua barba curta e espessa, usa-a exatamente ao estilo nazareno, sem apresentar qualquer cunho excêntrico. Os olhos são semelhantes aos raios do Sol e, por motivo de seu intenso brilho, é impossível fitar seu rosto por tempo prolongado. Suas mãos e seus braços são bem formados. É amado por todos; é austero, contudo alegre. Usa sandálias e anda sempre com a cabeça descoberta.

Na conversação é muito amável; porém, raríssimas vezes deixa-se levar por uma palestra, e, quando Ele está com a palavra, mantém-se em atitude discreta. Sua aparência é a mais bela possível de imaginar-se. Semelhante à sua Mãe, que é a mais formosa das mulheres vistas aqui nesta região.

É considerado um prodígio em sabedoria por todos os habitantes da cidade de Jerusalém. Nunca estudou; no entanto, conhece toda a ciência. Comenta-se que nunca se ouviu falar, neste país, sobre outra pessoa que o igualasse. Na verdade, os hebreus informaram que jamais ouviram conselhos semelhantes, instruções tão elevadas como as que são ensinadas por este Cristo.

Muitos judeus o consideram divino e crêem nEle, enquanto outros vêm a mim para condená-lo, por estar em contradição com Vossa Majestade.

É notório que jamais infligiu qualquer mal a quem quer que seja, e que somente pratica o bem. Todos os que o conhecem e com Ele mantêm relações, dizem que dEle receberam curas e benefícios.

Publius Lentulus"

Mas eu não sei muito sobe esses dois textos. Não sei dizer se são arqueologicamente aceitos. Se alguém quiser complementar falando sobre isso seria legal. Esses dois textos de Pilatos é, antes, só a nível de curiosidade.

Falta falar ainda das "relíquias de Jesus Cristo" e algumas outras coisas.

Santo Tomás de Aquino, rogai por nós!
avatar
Thiago S. R. Contarato

Mensagens : 27
Data de inscrição : 27/06/2009
Localização : Magé

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por são vieira em Sab Out 17, 2009 6:53 am

existem alguns historiadores e escritores da época que falam de cristo..não são muitas as evidências mas existem...Very Happy

Flávio Josefo, historiador judeu do primeiro século, que era fariseu. Ele menciona Jesus Cristo no seu livro Antiguidades Judaicas.

Cornélio Tácito, respeitado historiador romano do primeiro século, escreveu: “O nome [cristão] deriva-se de Cristo, a quem o procurador Pôncio Pilatos executou no reinado de Tibério.”

Suetônio e Plínio, o Jovem, outros escritores romanos daquela época, também se referiram a Cristo.

são vieira

Mensagens : 578
Data de inscrição : 15/07/2009
Idade : 36
Localização : portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por Thiago S. R. Contarato em Qua Out 21, 2009 11:42 pm

Continuando...

Existem também aquelas que são chamadas de Relíquias da Paixão. Não saberia expor sobre a cientificidade e historicidade de cada uma. Não saberia dizer se foram realmente aqueles objetos aos quais Jesus cristo realmente teria "tocado", mas eles tem importância para a nossa fé.

Muitos irão contestar a veracidade, por exemplo, argumentando sobre a "grande quantidade" de Relíquias Sagradas dispersas no mundo. Mesmo assim, nada impede que algumas delas sejam realmente aquelas que foram "tocadas" por Cristo. Enquanto as outras servem para nós apenas para "lembrarmos" do súplicio do Cristo na "Via Crucis" e obter, assim, a conversão.

3- Relíquias sagradas da Paixão de Cristo:

São estas as Relíquias de Cristo:

Importância de Santa Helena, mãe do imperador Constantino:

Existem numerosos documentos do século IV e V que descrevem como, a partir da visita de Santa Helena, os cristãos veneravam as relíquias da Paixão que tinham ficado em Jerusalém. Assim o testemunham Eusébio, Rufino, Teodoreto e São Cirilo de Jerusalém.
Assim, a grande impulsionadora da redescoberta dos Lugares da Paixão foi a Imperatriz Santa Helena que em 326 viajou à Terra Santa. A mãe do Imperador Constantino."

Dirigiu-se Santa Helena à Terra Santa com o piedoso intuito de encontrar a Santa Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. Foi informada de que provavelmente ela estaria no local do Santo Sepulcro, pois os romanos costumavam enterrar junto ao corpo do condenado os instrumentos utilizados no suplício.

Para impedir a devoção dos primeiros cristãos, o Santo Sepulcro fora coberto de entulho, sendo construído ao lado um templo para Vênus, e uma está tua para Júpiter!

Por ordem de Santa Helena, esse templo foi destruído e a estátua feita em pedaços. Em seguida, iniciaram-se as escavações.

Sagrada Cruz de Cristo:

"Iniciaram-se as escavações. No dia 3 de maio de 326, foram encontradas no local três cruzes: a dos dois ladrões e a de Cristo. Mas como saber qual é a de Cristo?? Simples! colocou-se uma mulher adoentada para tocar nas cruzes. Quando tocou nas duas primeiras nada aconteceu, mas quando tocou a terceira a mulher ficou curada! Desse modo é que se soube qual é a Cruz de Cristo.

Jubilosa, a Imperatriz fez erigir no local a grandiosa Basílica da Santa Cruz, também chamada Igreja do Santo Sepulcro ou da Ressurreição, onde ficou guardada a principal parte da Cruz.

Outra parte foi enviada para Constantinopla, onde Constantino a recebeu com grande devoção. Tomado de respeito por essa relíquia, o monarca proibiu desde então o suplício da crucifixão em todo o Império Romano.

A mãe do Imperador levou para Roma o restante. Um importante fragmento é venerado até hoje na mencionada "Igreja da Santa Cruz de Jerusalém", outro na Basílica de São Pedro.

Os Cravos:

Foram encontrados no mesmo local os cravos usados para pregar na Cruz o Divino Redentor. O Imperador Constantino incrustou um desses cravos em rico diadema de pérolas, usado por ele em ocasiões solenes. Em 550, os outros foram levados para Roma, pelo futuro Papa São Gregório Magno. Um deles é venerado no escrínio da "Igreja da Santa Cruz de Jerusalém".

A Tábua com a inscrição "I.N.R.I" (Jesus Nazareno Reis dos Judeus)

Nesse mesmo escrínio da Igreja da Santa Cruz de jerusalém, o peregrino poderá contemplar também a tabuleta com a inscrição "Jesus Nazareno Rei dos Judeus" - em hebraico, grego e latim - mandada fixar por Pilatos na Cruz do Salvador.

"Esse Cravo, os três fragmentos da Cruz e a tábua com a inscrição INRI foram piedosamente guardados por Santa Helena na sua residência imperial: o palácio Sessoriano. Ao cabo de alguns anos, possivelmente depois da morte da mãe, Constantino quis que se construísse ali uma basílica que tomou o nome do palácio, Basílica Sessoriana, embora também chamada Sancta Hierusalem."

A Coluna da Flagelação:

O sofrimento que Cristo sofreu na flagelação foi ainda maior porque tinha as mãos amarradas a uma coluna baixa, forçando-o a curvar-se para baixo, esticando a pele das costas. Na Igreja romana de Santa Praxedes há uma coluna trazida da Terra Santa em 1213, no tempo do Papa Inocêncio III, a Coluna da Flagelação

Escada Santa:

A pequena distância da Basílica de São João de Latrão, poderá o fiel devotamente encontrar a Escada Santa, levada de Jerusalém para Roma por ordem de santa Helena. Trata-se da escada do Palácio de Pôncio Pilatos, pela qual subiu Jesus quando foi apresentado à turba depois da Flagelação. Inclusive, estão assinalados três pontos onde se vê a marca do divino sangue sobre o mármore branco dos degraus, agora revestidos de madeira.


A Coroa de Espinhos:

"A Coroa permaneceu na Basílica do Monte Sião, em Jerusalém até 1053, quando foi levada para Constantinopla. Em 1238, o Imperador Balduíno II entregou-a - juntamente com a ponta da lança de Longinus - como penhor de empréstimo contraído com bancos de Veneza. De comum acordo com esse Imperador, São Luís IX, Rei de França, resgatou a referida dívida e recebeu em seu país as duas preciosas relíquias."

Atualmente, a Coroa de Espinhos está nos Tesouros da Catedral de Notre Dame de Paris. Todos os dias da Quaresma na Catedral de Notre Dame em Paris é exposto a veneração pública a Coroa de Espinhos de Jesus Cristo.

A coroa consiste em um círculo de juncos entrelaçados com 21 centímetros de diámetro. Não tinha a forma de um diadema, como muitos pensam, mas a de um barrete, cobrindo-Lhe toda a cabeça.

Originalmente a coroa tinha encrustada largos e duros espinhos. Com o decorrer dos séculos estes foram, um a um, sendo enviados as Catedrais de diversas partes do mundo onde são objetos de veneração por parte dos fiéis. Em Roma encontra-se apenas um desses espinhos.

Lança de Longinus (São Longuinho, popularmente)

Descoberta no Santo Sepulcro, a Lança com a qual o centurião Longinus perfurou o lado do Senhor foi levada de Jerusalém para Antioquia. Na iminência da invasão moura, mãos piedosas a enterraram atrás do altar da Igreja de São Pedro. Foi achado ali durante a Primeira Cruzada, em 1407.

"A ponta da Sagrada Lança foi levada para Paris e depositada, junto com a Coroa de Espinhos, na Sainte Chapelle por São Luís IX, Rei de França. Durante a Revolução Francesa, infelizmente essa preciosa relíquia desapareceu.

A haste permaneceu em Constantinopla, mesmo depois da tomada da cidade pelos turcos. E em 1492, o sultão Bajazet enviou-a ao Papa Inocêncio VIII, esclarecendo que a ponta se encontrava em poder do rei da França.

Atualmente essa haste é venerada na Basílica de São Pedro, ao lado de uma estátua de São Longinus, o centurião mártir.

Só para esclarecer, segundo a enciclipédia católica popular da internet:

"(...) O desejo muito generalizado de possuir relíquias levou ao comércio de falsas relíquias, que a Igreja sempre condenou, com sucesso relativo, o que deu argumentos às críticas dos reformadores protestantes, levando o Concílio de Trento a defender o culto das relíquias, mas com a condição de serem autênticas ou de serem autenticadas. As formas tradicionais do culto das relíquias são a exposição, as procissões e, mais tardiamente, a bênção com elas (à semelhança da bênção com o SS. Sacramento). A reforma litúrgica do Conc. Vat. II aboliu a obrigatoriedade de relíquias nos altares (nomeadamente nas “pedras de ara”), embora recomende a colocação de relíquias autênticas na base dos altares (CDC 1237,2).
http://www.ecclesia.pt/catolicopedia/



Eu me baseei nas pesquisas da internet, nos seguintes sites:
http://www.arautos.org.br/view/viewPrinter/3237-as-reliquias-da-paixao Este site principalmente.

Complementando com estes:
http://pt.josemariaescriva.info/artigo/a-basilica-da-santa-cruz-de-jerusalem

http://www.geocities.com/lord_dri/b2/marmore2.htm

E outros que nem lembro mais...

Espero que gostem... Abração!

Fiquem com Deus e Jesus Cristo Ressuscitado!!

Santo Tomás de Aquino, rogai por nós!
avatar
Thiago S. R. Contarato

Mensagens : 27
Data de inscrição : 27/06/2009
Localização : Magé

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por Thiago S. R. Contarato em Qui Out 22, 2009 12:46 am

Só por curiosidade...
Eu vi este texto que vcs colocaram e queria comentá-lo:
Alem disso, voce ja considerou a quantidade de pessoas que, na epoca, se diziam messias nascidos de virgens? (ate um deus egipcio ja passou por isso)

Isso me lembra um doidão chamado Zeitgeist. Os cristãos precisam conhecer essas idéias para se invocarem e buscarem conhecer melhor o Nosso Senhor Jesus Cristo. Existe esses vídeo no youtube que conta mais ou menos a idéia que o cara tem:

http://www.youtube.com/watch?v=LbiO_fBeg3I&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=6wriY1CA3lQ&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=GPkB9X2Kclg&feature=related



MUITA VIAJEM!!!

Essas são possíveis respostas e soluções às idéias desse maluco desvairado, encontradas também no Youtube:
http://www.youtube.com/watch?v=jlPvJbmUdB8

http://www.youtube.com/watch?v=7m2bPfPXjAs&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=x5HOo4i-9JQ&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=KAwkHVN-aYM&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=mwv8I0hKg3Y&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=b_i808ybm3U&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=u-wksO_afqA&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=056AalU3WfM&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=eN8M_f5hTyY&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=ULTmbp2CIRk&feature=related


Espero que gostem!

Santo Tomás de Aquino, rogai por nós!
avatar
Thiago S. R. Contarato

Mensagens : 27
Data de inscrição : 27/06/2009
Localização : Magé

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

AS RESPOSTAS DO EVANGELHO

Mensagem por Flávio Roberto Brainer de em Qui Fev 18, 2010 6:30 am

Observando os vários colóquios neste tópico, percebe-se como a incredulidade de muitos vem se estabelecendo através dos tempos e, por trás desta incredulidade, o quanto é grande o crescimento daqueles que, inimigos de Jesus e da sua Igreja, procuram propagar sua idéias antagônicas à fé e a existência do próprio Deus.

Esta questão sobre a existência de Jesus (ou a sua não existência) não é nada de novo. Ela já estava presente desde quando Jesus se manifestou ao mundo, conforme narram os evangelhos, embora não se servindo necessariamente da pergunta "JESUS EXISTE?" ou "JESUS EXISTIU?"

Depois de observar os vários colóquios extra-bíblicos postados neste tópico, recorro às Sagradas Escrituras, no sentido de mostrar que sempre existiram pessoas que não acreditavam ou não acreditam na pessoa de Jesus.

QUEM ERA JESUS? Eis a grande pergunta que moveu e que move a muitos tanto pela existência da fé quanto pela sua falta!

Toda a gente fazia essa pergunta quando Jesus começou a atrair a atenção pública e, no nosso tempo, apesar de todo o trabalho da evangelização, não é muito diferente, pois vemos muitas pessoas perguntando quem é Jesus e se ele realmente existiu, dentre tantas outras indagações e questionamentos.

O Evangelho conservou uma enorme variedade de respostas:

1. De muitos dos seus paentes: "Ele está fora de si" (Mc 3,21).

2. Dos seus conterrâneos de Nazaré: "Não é este o filho do carpinteiro (filho de José, operário, filho de operário)? Não é Maria sua mãe? Não são seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas? E suas irmãs não vivem todas entre nós? Como conseguiu aprender tanta coisa se nunca estudou? E negavam-se a acreditar nele" (Mt 13,55... Mc 6,3... Lc 4,22).

3. Dos círculos do farisaismo: "É comilão e bebedor; não observa as tradições e desobedece a lei; se dá bem com publicanos e pecadores; como poderia ser Deus, se viola o sábado?; não é profeta, mas sedutor; é louco; é possesso" (Mt 11,19; 27,63... Lc 7,39... Jo 9,16; 10,20).

4. Dos galileus atraidos pelos milagres e fascinados pelos ensinamentos: "É profeta; é João Batista; é Elias; é Jeremias; é um dos antigos profetas; é profeta novo, igual aos antigos" (Mt 16,14... Mc 8,28... Lc 9,18).

5. Dos que murmuravam em Jerusalém na festa dos tabernáculos: "É bom; não; engana seu povo" (Jo 7,12).

6. Dos sequazes de João Batista: "És tu o que há de vir, ou havemos de esperar por outro?" (Mt 11,3).


CONTINUO MAIS TARDE !

fIQUEMOS NA PAZ DO sENHOR !
avatar
Flávio Roberto Brainer de
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 1189
Data de inscrição : 13/09/2009
Idade : 59
Localização : Gravatá - PE

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por Flávio Roberto Brainer de em Seg Fev 22, 2010 8:15 am

Como descrevi no ultimo colóquio, fica evidente que, mesmo conhecendo a pessoa de Jesus, muitas pessoas que com ele conviveram, desacreditaram que Ele era Deus, desacreditaram da sua palavra, dos seus sinais, dos seus milagres, não reconhecendo a sua essência que, para além da sua natureza humana, é Deus.
Muitas pessoas do nosso tempo não conhecem a de Jesus de outra maneira para além do que narra a história, tendo, em muitos casos, a história por estória. Assim, a fé somente será possível a partir do momento em que houver uma experiência pessoal na qual Jesus se revele através de um sinal ou de um milagre que se constitua em algo que, talvez, inexplicável, é real.
Se me perguntarem como isso pode acontecer, responderei que não sei, mas que a Deus tudo é possível, como temos visto tantas vezes através dos tempos.
Dessa forma, para aqueles que não crêem nas Sagradas Escrituras e não consideram a pregação dos cristãos, tudo parece bem mais difícil. Entretanto, o reconhecimento de Jesus como Deus, como senhor e como Salvador é plenamente possível.
Impossível é, de forma sensata, negar a sua eistência. Se não se crê nessa existência a partir do momento em que não se aceita ou não se crê na Palavra, é impossível não crer através dos sinais que acompanham esta mesma Palavra e que muitas vezes, apesar de não se ter presenciado, faz parte do testemunho daqueles que abraçaram a fé.
FIQUEMOS COM DEUS !
avatar
Flávio Roberto Brainer de
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 1189
Data de inscrição : 13/09/2009
Idade : 59
Localização : Gravatá - PE

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por M.Levi em Seg Mar 01, 2010 6:18 pm

Tem razão Flávio.
O que mais salta aos meos olhos quando da condição historica da existencia do Cristo é que para alguém que não "existiu" até que Ele deixou bastantes sinais, marcas, heranças, ensimantos, etc do que todos os que "existiram".
Bem da verdade que nos grandes ciclos de estudiosos nem se discute mais se o Cristo existou ou não.

Até
avatar
M.Levi
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 147
Data de inscrição : 24/08/2008
Idade : 35
Localização : Petrópolis

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por Leonardoi Cler em Qua Mar 10, 2010 9:12 pm

"Zeitgeist" é um polémico documentário amador ramificado em três partes distintas. O título surge de um termo alemão que significa "Espírito do Tempo",
e que é atribuído segundo alguns dos maiores filósofos alemães ao
avanço intelectual e cultural do mundo, numa determinada época.
Realizado, produzido e escrito pelo anónimo Peter Joseph, o documentário se divide em três partes:The Greatest Story Ever Told", "All the World is a Stage", "Don't Mind The Men Behind The Curtain".
O
que vem ao caso é a primeira parte que afirma que Jesus não teria
existido, sendo apenas uma história cria dom o objetivo de manipular as
pessoas através da religião, como escrito nese site:

"The Greatest Story Ever Told". Esta investiga e
analisa aquela que o autor considera ser a maior encenação da história
da humanidade: a existência de um Cristo e as religiões em si. Defende
o realizador que Jesus é um figura híbrida astrológica, mitológica e
literária, baseada numa lenda criada por uma civilização bastante
anterior ao "ano 0" e que, desde essa altura, foi adaptada e remodelada
consoante a época e as necessidades de controlo social dos mais
diversos povos.
http://cinemanotebook.blogspot.com/2008/01/zeitgeist-2007.html

"A primeira parte do filme é uma avaliação crítica da religião com principal incidência no cristianismo. O filme sugere que Jesus seja um híbrido literário e astrológico e que a bíblia trata de uma miscelânea de histórias baseadas em princípios astrológicos pertencentes a civilizações antigas (Egito, especialmente). Um argumento semelhante é apresentado pelo escritor Fernando Vallejo no livro La pxxx de Babilonia. A atenção do filme se foca inicialmente no movimento do Sol e das estrelas,
fato este que é uma das características das religiões "pagãs"
(pré-cristãs). É então apresentada uma série de semelhanças entre a
história de Jesus e a de Hórus,
o "deus Sol" egípcio que partilha de todos os predicados do messias
cristão. Há referência sobre o papel de Constantino na formação da
Igreja e seus dogmas. "


http://pt.wikipedia.org/wiki/Zeitgeist,_o_Filme

Algumas das perguntas seriam:
"Jesus existiu ou foi fruto desta miscelânea de histórias implantadas por instituições governamentais em diversas áreas como manipulação de massa fazendo o povo acreditar em um deus que nasceu de uma virgem, morreu injustamente e ressucitou ao terceiro dia, realizou diversos milagres e implantou uma doutrina religiosa, isto como Mitra, Horus,... ,Átis, Osiris?


Última edição por Leonardoi Cler em Qua Mar 10, 2010 9:16 pm, editado 1 vez(es)

Leonardoi Cler

Mensagens : 3
Data de inscrição : 08/03/2010
Localização : Petrópolis

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por Flávio Roberto Brainer de em Qui Mar 11, 2010 10:14 pm

Meu Caro Leonardoi,
Que a paz de Jesus esteja com você !
Não sei se você observou, mas há uma postagem neste tópico feita por Tiago Contarato no dia 22 de outubro de 2009 que faz alusão a esta questão. Nela há alguns vídeos que tratam do possível objeto de estudo do Zeitgeist, como também há outros vídeos que mostram o contrário. Seria bom examinar passo a passo vídeo por vídeo.
Por outro lado, convém afirmar que as Sagradas Escrituras fazem grande quantidade de referências a esse tipo de distorção a respeito do seu próprio conteúdo, o que me faz afirmar que teorias dessa natureza não são novidades, uma vez que foram previstas pelo próprio Jesus.
Recentemente, postei neste fórum algumas questões inerentes ao Avesta, questões estas que estão contidas também na polemica do zeitgeist. Tais questões, no caso do Avesta, estão voltadas para a atribuição de algumas verdades bíblicas a outros personagens, o que me parece menos complicado em relação ao Zeitgeist que tenta negar, fundamentando-se nas Sagradas Escrituras, a existência de Deus e, como se ainda fosse pouco, tenta transferir a verdade a respeito de Deus e de Jesus Cristo aos astros. Trata-se, portanto da despersonificação de Deus e do seu Filho, atribuindo aos astros toda a essência e toda a obra de Deus, num comportamento astrológico e ateu.
Em breve vou postar mais alguma coisa, considerando que tenho uma visão muito superficial a respeito desta questão, ou seja, não tenho propriedade a esse respeito. Entretanto, estarei pesquisando e, na medida do possível, com a graça de Deus, vou postando aos poucos as conclusões que me forem surgindo.
Grande abraço... Fique com Deus !!!
avatar
Flávio Roberto Brainer de
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 1189
Data de inscrição : 13/09/2009
Idade : 59
Localização : Gravatá - PE

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por alessandro em Sex Mar 12, 2010 11:18 am

vi zeitgeits há uns dois anos e minha memória pode estar falha em algumas coisas.

o vídeo mostra algumas possíveis selhanças do cristianismo com outras religiões e usa isso como espécie de prova para afirma que o cristianismo é falso.

o problema é que isso não prova nada. se eu digo que o cristianismo tem semelhanças com religioes que vieram antes, isso pode significar que estas religiões prefiguram o cristianismo, que contém "sementes do verbo".

trabalhei esta questão melhor em alguns outros tópicos, como por exemplo aquele que versa sobre zoroastrismo.

mas falando das outras partes de zeitgeist que não são diretamente religiosas, sinceramente acho que há muita "forçassão de barra". o autor afirma muita coisa de uma forma bastante criativa, mas não apresenta provas concretas para quem conhece um pouco de história.

abraços e espero ter ajudado

_________________
Só vale a pena viver pelo que vale a pena morrer!!!
avatar
alessandro
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 750
Data de inscrição : 16/08/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Jesus Cristo existiu?

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum