"POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por são vieira em Sex Out 16, 2009 9:37 am

um ponto para pensar...
Jesus só veio á existência por meio de maria ou já existia antes?
se existia antes quem foi o seu progenitor? unicamente Deus... e passou a fazer parte da organização celestial- mulher ( existem muitas passagens que fazem a ligação a esposa, incluindo a nação de israel enquanto nação escolhida)... maria foi o meio e não o principio...

são vieira

Mensagens : 578
Data de inscrição : 15/07/2009
Idade : 36
Localização : portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por David em Sex Out 16, 2009 11:03 am

Thiago S. R. Contarato escreveu: O nosso foco aqui é a interpretação do texto de Gênesis 3,15! O texto de Gênesis foi escrito a mais de mil anos antes de Cristo! Imagina a quantidade de mãos que esse texto passou até chegar aos massoretas em 700 d.C. O texto dos massoretas é uma transcrição de um hebraico antigo, sem vogais, para um texto um texto hebraico com vogais! Não é o Original! Aquele que transcreve também pode colocar os seus preconceitos! Ainda mais numa época em que a Igreja Cristã já estava organizada, aí que eles devem ter colocado seus preconceitos mesmo.
Olá Thiago... Paz do Senhor

Veja bem, amigo... Se não gostas de tradução nenhuma, ou seja, se rejeitas o texto da LXX, que é o texto base usado para a tradução das Bíblias católicas, e se também repudias o texto massorético, que é aquele usado como Escritura pelo judaísmo e que é também aquele usado para a tradução da maioria das Bíblias evangélicas, então só resta dizer que o amigo quer "forçar" sua própria interpretação do texto! Pois a tradução na passagem de GÊnesis é muito clara, principalmente quando levamos em conta o seu cumprimento na vida de Jesus Cristo. Assim, não é uma questão de de tradução, é uma questão de se querer ver apenas aquilo está na mente, independente de qualquer coisa.

Quando um texto não me agrada, comparo com outras traduções, e isso me satisfaz!
Não se trata aqui do que agrada ou do que não agrada, do que satisfaz ou do que não satisfaz. Se for assim, vc jogo a subjetividade e a opinião no meio e está tudo bem! Talvez eu não tenha sido claro nisso, então vou especificar melhor: Quando digo algo que é possível ou necessário, não estou me referindo a sentimentos ou opiniões. Trata-se de buscar o sentido correto o máximo cientifica e arqueologicamente possível, sem a pretenção de encontrar algo necessário, porque é muito difícil encontrar o original

Aí é que mora a diferença entre nós, amado... Eu GOSTO das traduções que temos. Seja ela a tradução de "A Bíblia de Jerusalem", seja ela a tradução de Almeida, seja ela a tradução "King James"... Quando falo que comparo determinada passagem entre uma e outra, é para justamente isso, para ver, usando da HERMENÊUTICA bíblica, qual o texto que melhor se aproxima dos ensinamentos escriturísticos. Pois a Escritura não SE CONTRADIZ. Assim, mesmo que um texto seja vertido INCORRETAMENTE, mais tarde encontraremos um ensinamento, de um outro escritor, que vai dirimir aquela dúvida!

A Igreja trouxe a interpretação mariológica pela Tradição que vem desde os primórdios. Essa interpretação já é clássica. Eu tenho até receio de falar dela, por medo de faltar algum detalhe, porque são muitos estudos em cima disso. Vc acredita no texto, mas não acredita na interpretação da Igreja. Não tem problema, vc está no seu direito.

Amado, eu vejo em MAria um exemplo de serva do Deus Altíssimo, mas é apenas isso, um exemplo de serva! Ela não é deusa! Se não é deusa, ela é criatura, descendente de Adão e precisa, assim como precisaram os apóstolos, assim como precisaram os profetas, assim como precisamos eu e voce, do SACRIFÍCIO DO CALVÀRIO! Jesus é o Filho do Deus vivo, é o Messias! Ele é a meta, Thiago! Toda a atenção é a Ele, toda a honra, é a Ele... Assim, não podemos voltar nossa atenção para a criatura, mas devemos dirigir nossas atenções ao Criador, através do Sacrifício do Seu Filho, Jesus Cristo! A criatura, após a morte do seu corpo, nada pode fazer por outra!

Concordo com vc plenamente, mas como saber qual é a mensagem??

Vou resumir toda a mensagem da Escritura em algumas simples palavras:
O homem MORREU em Adão. No Éden perdeu a comunhão com o Altíssimo e nada que faça, por si mesmo, pode fazer-lhes MERECEDOR da VIDA. Em Adão o homem é HERDEIRO da segunda morte, mas Deus amou ao mundo de tal maneira, que deu Seu Filho UnigÊnito para que todo aquele que nEle crer não MORRA, mas tenha a vida eterna! (João 3:16)
Assim, o resumo, a mensagem de toda a Escritura é esta acima!

Como interpretar a Bíblia??? Essa é a questão.

A necessidade fica difícil pois não temos o texto original. Ficamos no nível da possíbilidade.
Se você tiver um exemplar de "A Bíblia de Jerusalém", voce tem uma excelente tradução das Escritura Sagradas, pode ter certeza disso!
Concordo com vc em relação à tradução da "Ave-Maria" em partes. Porque, como já disse, essa tradução foi realizada de modo a facilitar o entendimento do "povão", ela não é uma Bíblia de Estudo.
Não, não é que ela foi feita com o objetivo de "facilitar" o entendimento do povo... Veja o exemplo da passagem da trasformação de água em vinho, por exemplo. Ali há um erro que parece ser proposital, para fazer o leitor acreditar que ela poderia fazer algo ali, no lugar de Jesus! Mas, excetuando-se algumas passagens que alguns podem querer relacionar a Maria, ela, a tradução "ave Maria" é uma tradução razoavel!

Agora afirmar o que vc afirmou é "meio pesado":
... levar o leitor a ter uma idéia diferente daquela que o escritor bíblico queria realmente passar

Não, amado...Veja a TNM, a tradução usada pelos testemunhas de Jeová. Há ali toda uma intenção, que é colocar doutrinas na Escritura. É claro que esta é uma analogia simplesmente exagerada, pois a tradução "ave Maria" parece ter apenas alguns versículos traduzidos de forma incorreta!

Se vc souber, pelo menos, quem é o escritor Bíblico do texto de Gênesis 3,15 eu te dou um "doce-da-vovó-Elza". Além disso, vc pode até ser bastante reconhecido na comunidade dos exegetas, caso vc tenha feito alguma descoberta e possa prová-la.

Como já te disse, eu acredito, eu creio de verdade na VERACIDADE dos textos escriturísticos que dispomos... Pois que o Centro de toda a Escritura é JESUS CRISTO e tudo "aponta" para Ele, desde o Gênesis até o Apocalipse!
Se já é difícil saber qual é o autor sagrado, ou hagiógrafo, imagina quanto é difícil saber a idéia que ele queria realmente passar. Ninguém sabe realmente a idéia de alguém que está na sua frente, imagina saber a idéia de quem nem sabe quem é.
É pensando assim, que muitos apostatam da fé, amado... É pensando assim, que muitos "desistem" de acreditar em Deus, e se tornam ATEUS.

Quem é o autor de cada livro do Pentateuco?? Mesmo que vc diga que é Moisés, é difícil saber qual é a idéia de alguém tão antigo. No entanto, há um certo consenso de que não seja ele o autor.

O amigo não sabe quem é o autor do pentateuco, os cinco primeiros livros da Bíblia? Então vamos ver algumas passagens que nos afirmam que Moisés escreveu o pentateuco e vamos tambem "perguntar" aos personagens bíblicos!
Inicialmente vamos ver a ORDEM dada pelo Próprio Deus, para que Moisés escrevesse!

Exo 17:14 -
Então disse o Senhor a Moisés: Escreve isto para memória num livro...


Exo 34:27 -
Disse mais o Senhor a Moisés: Escreve estas palavras; porque conforme ao teor destas palavras tenho feito aliança contigo e com Israel.


E Moisés ATENDEU, essa Ordem dada pelo Altíssimo!

Exo 24:4 -
Moisés escreveu todas as palavras do Senhor...


Num 33:2 -
E escreveu Moisés...


Estas poucas passagens nos mostram que MOISÉS realmente escreveu... EU acredito que talvez algumas passagens, de alguns dos livros do Pentateuco, não tenha sido ele quem escreveu de próprio punho, como é o caso quando da sua morte. Mas o mais importante é que os homens de Deus, nunca duvidaram de que o que tinha ali escrito, principalmente no que se refere ao PENTATEUCO, era de autoria de MOISÉS. Veja, abaixo que os apóstolos acreditavam assim:

Mar 12:19 -
Mestre, Moisés nos escreveu que...


Joa 1:45 - Filipe achou Natanael, e disse-lhe: Havemos achado aquele de quem Moisés escreveu na lei, ...

VEja, abaixo, que Lucas faz até referência DIRETA na Escritura sobre algo que Moisés escreveu, quando disse:

Atos 3:22 - Porque Moisés disse aos pais: O Senhor vosso Deus levantará de entre vossos irmãos um profeta semelhante a mim; a ele ouvireis em tudo quanto vos disser.

Lucas se referia a esta passagem:

Deu 18:15 - O Senhor teu Deus te levantará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, como eu; a ele ouvireis;

Poderia citar ainda outras passagen que Paulo e Pedro também declaram seu conhecimento no sentido de reconhecerem MOISÉS como o escritor do pentateuco. Pensar diferente é acreditar que os apóstolos estavam errados... Até mesmo Jesus declarou que foi Moisés quem escreveu a Torá...

Joa 5:46 -
Porque, se vós crêsseis em Moisés, creríeis em mim; porque de mim escreveu ele


Assim, a crença de que Moisés escreveu o Pentateuco não é baseado em dogma, mas é baseado nos próprios personagens bíblicos! Pois os apóstolos acreditaram que a autoria dos livros foram de Moisés assim como os apóstolos e várias outras personalidades bíblicas, isso sem citar o próprio JESUS... Assim, se sou indagado se prefiro acreditar num "Joãozinho" qualquer, que é arqueólogo e que diz que "descobriu" que quem escreveu o pentateuco não foi Moises e sim Sócrates, Platão ou Aristóles, a acreditar em Jesus e nos apóstolos que disseram outra coisa, acho que não preciso nem responder com quem eu vou ficar né?

Desse modo, eu me arriscaria a dizer, que Gn 3 se referiria à tradição Javista, pois apresenta Deus tão próximo que caminha no meio deles. Não sei se é correto. Mas o caso é que é possível que se refira a uma tradição de escritores. No mesmo capítulo pode haver mais de uma tradição.

Amado, estude a Escritura usando HERMENEUTICA... Veja que JEsus é o CENTRO de toda a Escritura Sagrada! O centro não é David, não é Salomão, não é paulo, não é Pedro, não é Maria... O Centro da Escritura é JESUS CRISTO, o Filho do Deus vivo! Pense nisso!

Vou citar algumas passagens que eu já falei, tentando aprimorar u pouco. Observe que eu me refiro a estrutura da frase, a qual não conheço uma tradução da Bíblia que não traga essa estrutura:
Aí é que entra essa interpretação de que a inimizade é, primeiramente, "entre ti (serpente) e a mulher", e depois, separando com vírgula, "Entre a tua semente (da serpente) e a semente dela (da Mulher)". Fica claro que o autor sagrado separou as "duas inimizades".
Assim,não se afirmaa "inimizade" entre "a serpente (Dragão) e a descendência da Mulher (podemos entender como Jesus)", no texto do Gênesis. O que se afirma é a "inimizade" entre a serpente e a Mulher. E entre a "descendência da mulher" e a "descendência da serpente". Mas que "inimizade" é essa??? A frase seguinte responde a essa pergunta: "ela te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar."

O pronome "ela" se refere a SEMENTE da mulher, amado, e não a própria mulher! Não há lógica querer inserir Maria nessa profecia, pois é Jesus Cristo Quem venceu. Todos os outros, da descendência de Adão, só vencem através do Sacrifício dEle, no calvário! Medite nisso, abençoado!

Quanto a essa frase concordamos, porque agora vc mostrou "possibilidade":

A palavra grega "sperma" pode tranquilamente ser traduzida por descendência... Isso não há o que contestar! Mas como mostrei também, ela pode significar a SEMENTE, tanto a masculina como a feminina... O que quero afirmar, é que utilizando a tradução LITERAL, ou seja, "semente da mulher", a profecia nos mostra realmente que ela se refere a Jesus Cristo, pois que Ele veio concebido pelo Espírito Santo.
Essa passagem serve, inclusive, para combater algumas idéias que existem, da qual eu quase cheguei a a acreditar... A de que Jesus cristo não possuiria nenhuma semelhanca com Maria. A de que Ele teria sido "colocado" miraculosamente em seu últero e, assim, não possuiria nenhum traço advindo de Adão! Mas essa profecia de Gênesis 3:15 põe abaixo este ensinamento, pois está registrado que o Messias viria da SEMENTE da mulher, ou seja, Jesus veio realmente do óvulo de Maria!

Embora maria não existisse desde sempre, ela estava nos desígnios de Deus desde sempre. De tal modo que existiria essa profecia de Gn 3,15 para comprovar.

Mas, segundo a onisciência de Deus, todo nós, seres mortais, já existíamos... Pois que nada é incoberto aos Olhos do todo Poderoso... Veja o que o escritor bíblico afirmou:

Sal 139:16 - Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia.

Ora, mesmo antes de eu nascer, Deus já me conhecia... Mesmo antes de você, Thiago, nascer, Ele também já te conhecia e já sabia as escolhas que tu ias tomar, e que vais tomar, durante toda a trajetória da tua vida! Isso significa que somos especiais, que somos melhores do que todos os outros da descendência de Adão? Maria é superior a todos os outros, descendentes de Adão, ou seja, ela é divina? Pois se não for divina, nem for anjo, ela descende de Adão e tem pecados!

Ela não afeta diretamente a minha fé em Maria em sentido geral.

Amado, a fé deve ser depositada em JESUS CRISTO. Maria é criatura, e nada pode fazer por ti! Só através de Jesus a herança de Adão pode ser mudada! Ele, Jesus Cristo, é o Cordeiro que tira o pecado do mundo. Isso significa dizer que buda, Joseph Smith, ghandi, Paulo, Pedro ou Maria, nada podem fazer por nós homens... O que os homens bíblicos podem fazer por nós, é unicamente através daquilo que deixaram ESCRITO. Mas eles darão conta de SI PRÓPRIO diante de Deus. Assim, não adianta ter fé em Maria, não adianta se dizer "mariano", pois o que leva o homem a Deus, é Jesus Cristo!

Eu vou acabar entrando em questões de fé, mas não tem jeito. Quem disse para vc que Maria está morta???? Está escrita em algum texto da Bíblia isso???

A Escritura nos garante que o homem veio do pó, e ao pó voltará. Com toda a certeza do mundo, Maria está sepultada em algum lugar, em Jerusalém! Ela ainda não ressuscitou, pois Jesus ainda não voltou. A ressurreição dos mortos ainda não aconteceu e, hoje, só Jesus tem o Corpo glorificado, aquele que o cristão, servo do Senhor, terá um dia!

Existe um grande problema em relação a isso: Onde está os restos mortais de Maria?? Se ela morreu, ela possui restos mortais. Nós encontramos o túmulo de Pedro, de Paulo e de Maria Madalena, por exemplo, mas cadê o túmulo de Maria????

É como te disse, o Centro da Escritura é Jesus Cristo. Assim, também não é registrado a morte de Paulo, nem a morte de Pedro. Mas cremos que eles morreram...

Eu não entendo qual o motivo de querer forçar uma crença extra bíblica para a "assunção" de Maria... Não existe base bíblica nenhuma para se acreditar nisso. Com essa doutrina as pessoas acabam esquecendo Quem é a Meta, Quem é o Objetivo. Acabam pedindo a Maria, ao invés de pedir a Jesus... Ora, teria Jesus Cristo menos amor pelo pecador arrependido do que MAria? Teria Jesus menos tempo, menos atenção ou até menos poder, para atender ao pecador arrependido? Se a resposta for "não" a todas estas perguntas, porque então não pedir a Ele, Jesus Cristo, visto que tem MAIS AMOR do que ela, e pode estar presente onde estiver "dois ou tres" reunidos em seu nome?

Assim como não existe os restos mortais de Jesus também não existe os de Maria. Se vc crê na "assenção" de Jesus ao Céu, vc também pode crer na "assunção" de Maria.

Não há base bíblica para isso, abençoado... A ressurreição dos mortos ainda não aconteceu.

A assunção de Maria não é algo absurdo, pois não ataca a dignidade divina de Deus! Já que ele é que é o Mediador e o Caminho que levou a sua própria mãe ao céu. Além disso, ela não seria a única! Pois existe a história de que Henoc(Gn 5,24) e Elias(IIRs 2,11-13)foram "arrebatados" ao céu. Se vc acredita nesses "arrebatamentos" pode-se crer em algo parecido em relação à Maria, principalmente por não termos o corpo dela.

Há o veredicto do Todo Poderoso de que o homem veio do pó e ao pó retornará. Elias e Enoque foram arrebatados, mas há o registro, em Apocalipse, de que virá "duas testemunhas", durante a grande tribulação. Se o amigo ler, verá que uma delas agirá como agia ElIAS... assim, muitos estudiosos acreditam que esses dois voltarão PARA MORRER, pois que essa nossa natureza, vinda de Adão, não PODE herdar o Reino! tem de haver uma TRANSFORMAÇÃO! Veja a referência sobre as duas testemunhas, mesmo no Antigo Testamento:

Zacarias 4:14
14 Então ele disse: Estes são os dois ungidos, que estão diante do Senhor de toda a terra.

Veja a referência a esses personagens no Apocalipse:

Apo 11:3 - E darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de saco

Esses 1260 dias dão exatamente 3 anos e meio, que é a metade da grande tribulação...

A sua tradução de Ap 12,17 realmente não tem "concordância nominal", mas pode ser que o texto original não esteja com concordância nominal também. Agora também levo como possibilidade.

É que o amado quer interpretar que "remanescente" seja uma única pessoa, quando na verdade o remanecente se refere a um povo, aos judeus!


Que o Senhor nos Abençoe


David
avatar
David

Mensagens : 192
Data de inscrição : 29/09/2009
Localização : Brasil

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Flávio Roberto Brainer de em Sab Out 17, 2009 3:12 pm

Tiago,
Que a paz do Senhor Jesus esteja sempre com você !

É muito pertinente a sua colocação a respeito da Assunção de Nossa Senhora. Esta questão é muito importante para o desenvolvimento do tópico, considerando o que descreve São João a esse respeito quando afirma que Ela apareceu como um grande sinal no céu (Ap 12,1.5).

Ao contrário do que afirmam as falsas doutrinas das mais diversas seitas espalhadas pelo mundo, a única e verdadeira de Igreja de Cristo definiu esta questão como dógma na Constituição Apostólica Munificentissimus Deus em 1950 pelo Papa Pio XII.
Convém lembrar neste momento, antes de adentrarmos na fundamentação bíblica a esse respeito, que quando a Igreja proclama um dogma não está criando nenhuma novidade, visto que está aprofundando algo que já existe, mas que necessitava de maiores esclarecimentos.
Os santos, justificados pela fé e pelas obras, estão com Deus diante do seu trono. Esta realidade é comprovada em várias passagens das Sagradas Escrituras como veremos a seguir.

"Seis dias depois, Jesus tomou consigo a Pedro, Tiago e João, e conduziu-os a sós a um alto monte (Tabor), e transfigurou-se diante deles. Suas vestes tornaram-se resplandecentes e de uma brancura tal, que nenhum lavadeiro sobre a terra as pode fazer assim tão brancas. Apareceram-lhes Elias e Moisés, e falavam com Jesus" (Mc 9,2-4).

Diante desta cena da transfiguração do Senhor, nos deparamos com um questionamento: Por que, no momento da transfiguração de Jesus, com Ele apareceram Elias e Moisés? Responder a esta questão nos transporta à revisão de alguns textos bíblicos inerentes a estes dois personagens.

"Continuando o seu caminho (Elias e Eliseu), entretidos a conversar, eis que de repente um carro de fogo com cavalos de fogo os separou um do outro, e Elias subiu ao céu num turbilhão" (2Rs 2,11).

"E Moisés, o servo do Senhor, morreu alí na terra de Moab, como o Senhor decidira. E ele (Josué) o enterrou no vale da terra de Moab, defronte de Bet-Fogor, e ninguem jamais encontrou o lugar do seu sepulcro" (Dt 34,5-6).

De acordo com estas narrativas, Elias foi arrebatado para os céus num turbilhão de fogo e Moisés, apesar de ter sido sepultado, nunca foi encontrado por aqueles que voltaram para procurar sua sepultura. Estes dois fenômenos deixam claro que os dois não provaram a decomposição e foram, portanto, para junto de Deus nos céus. Assim sendo, mediante o que frizeram na terra,por estarem santificados nos céus, participaram da transfiguração do Senhor, formando uma tríade na qual se tornaram presentes a Lei, a Profecia e o Sacerdócio, respectivos a Moisés, a Elias e a Jesus. Em uma análise extremamente lógica, se eles apareceram nos céus com Jesus transfigurado, é exatamente porque não estavam na terra, nem embaixo da terra, na região dos mortos. Eles são santos e gozam da plenitude da presença de Deus nos céus.

Outra narrativa das Sagradas Escrituras que nos deixa claro que os santos estão nos céus está no Evangelho segundo São Lucas, quando descreve a cena da crucificação de Jesus entre dois ladrões:

"Um dos malfeitores alí crucificados, blasfemava contra ele: Se és o Cristo, salva-te a ti mesmo e a nós! Mas o outro o repreendeu: Nem sequer temes a Deus, tu que sofres no mesmo suplício? Para nós é justo: recebemos a que mereceram os nossos crimes, mas este não fez mal algum. E acrescentou: Jesus, lembra-te de mim, quando tiveres entrado no teu reino! Jesus respondeu-lhe: ainda hoje estarás comigo no paraíso" (Lc 23,39-43).

Esta passagem do bom ladrão (Dimas) demonstra mais uma vez que os santos estão nos céus, na presença de Deus. Aquele ladrão que nos ultimos instantes de sua vida, já no cumprimento da sua sentença de morte, proclamando a sua fé em Jesus e testemunhando publicamente o seu arrependimento e conversão, recebeu de Jesus a certeza da entrada nos céus naquele mesmo dia. Assim sendo, não nos resta dúvida alguma de que os santos estão nos céus.

Ao examinarmos minudentemente esta passagem, percebemos que quando Jesus afirmou par Dimas que naquele mesmo dia estaria com ele no paraíso, tal afirmação responde a uma questão que muitas vezes tenho recebido de "evangélicos". Segundo eles, ninguem pode adentrar no reino dos céus antes da ressurreição do ultimo dia. Entretanto, essa passagem nos mostra que aqueles que morreram no Senhor, ou seja, morreram professando a fé em Cristo e estando na sua graça, estão nos céus, gozando da presença de Deus, sendo, portanto, santos, mesmo antes da ressurreição da carne que será no ultimo dia.

É importante percebermos também que a ressurreição de Cristo se deu ao terceiro dia depois de sua morte. Entretanto, por ocasião de sua morte, narra o Evangelho escrito por São Mateus, que "os sepulcros se abriram e os corpos de muitos justos ressuscitaram" (Mt 27,53), mesmo antes da ressurreição de Cristo.

Esta certeza da ressurreição se configura em dois momentos distintos e está incluida na ultima parte do credo, também conhecido como Símbolo dos Apóstolos, que foi formulado no ano 311, com a finalidade de, mais do que simplesmente professar a fé, identificar os verdadeiros cristãos, considerando que naquela época havia pessoas que se infiltravam no meio da Igreja como falsos cristãos, no intuito de entregar os verdadeiros às autoridades e aos algozes do império romano para que fossem martirizados. O Credo, portanto, faz referência à primeira e à segunda ressurreição: "Creio (...) na comunhão dos santos (Primeira Ressurreição), (...) na ressurreição da carne (ressurreição do ultimo dia, segunda ressurreição)." Esta realidade a respeito da primeira e da segunda ressurreição dos santos é narrada de forma inconteste por São João:

"Vi também tronos, sobre os quais se assentam aqueles que receberam o poder de julgar; eram as almas dos que foram decapitados por causa do testemunho de Jesus e da palavra de Deus, e todos aqueles que não tinham adorado a Fera ou sua imagem, que não tinham recebido o seu sinal na fronte nem nas mãos. Eles viveram uma vida nova. Os outros mortos não tornaram à vida até que se completassem os mil anos. Esta é a primeira ressurreição. Feliz e santo é aquele que toma parte na primeira ressurreição! Sobre eles a segunda morte não tem poder, mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo: reinarão com ele durante os mil anos" (Ap 20,4-6).

No Evangelho segundo São Mateus, Jesus dá esta certeza de que os santos estão nos céus como recompensa, como galardão àqueles que nele confiaram e dedicaram as suas vidas por causa dele e do seu Evangelho:

"Pedro, então, tomando a palavra, disse-lhe: Eis que deixamos tudo para te seguir. Que haverá então para nós? Respndeu-lhe Jesus: Em verdade vos declaro: no dia da renovação do mundo, quando o Filho do Homem estiver sentado no trono da glória, vós, que me haveis seguido, estareis sentados em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel" (Mt 19,27-28).

De maneira muito coerente, a partir destas reflexões a respeito de Elias, de Moisés, de Dimas e dos Apóstolos, recorrendo ao texto do Apocalipse de São João, vemos também que a Mãe de Jesus aparece como um grande sinal nos céus:

"APareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher (Maria, mãe de Jesus) revestida de sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas. (...). Ela deu à luz um filho, um menino, aquele que deve reger todas as nações pagãs com cetro de ferre (Jesus)" (Ap 12,1.5).

Refletindo sobre esta passagem do Apocalipse e recorrendo aos textos àqui referendados, tornamo-nos convictos de que a presença dos santos nos céus é uma realidade incontestável.

Com efeito, se Moisés teve este mérito por transmitir a Lei e conduzir o povo da predileção divina do Egito até a planície do rio Jordão, se Elias teve o mesmo mérito por exercer a profecia e falar em nome de Deus, se Dimas teve também este mérito por confessar a sua fé em Cristo nos ultimos instantes de sua vida e se Pedro e os demais apóstolos também receberam esta graça por terem seguido a Cristo da maneira como seguiram, Deus seria incoerente e injusto se deixasse Maria, a mãe do seu Filho, excluida desta glória, principalmente por ela ser imaculada (preservada do pecado desde a sua origem), sendo, portanto, santa na sua essência, no seu ser em si mesma, considerando-se que os demais, nascendo pecadores, se santificaram enquanto viveram.

Maria, sendo cheia de graça (Lc 1,28), não tinha qualquer pecado, pois um recepiente que está cheio de graça não pode, ao mesmo tempo conter qualquer pecado, visto que se tivesse um só pecado, não poderia estar cheia de graça. Percebe-se, pois, que não tendo pecado, não poderia, da mesma forma que o seu Filho, conhecer a corrupção (Sl 15,10; At 2,27.31; 13,35).

Convém observar que Elias e Moisés tiveram pecados e, apesar disso, foram poupados da decomposição pela graça de Deus. O poema de Ezequias faz alusão a esta questão com muita propriedade: "Vós preservastes minha vida do túmulo onde se apodrece, e lançastes para trás de vós todos os meus pecados" (Is 38,7).

Vemos, portanto, neste breve estudo, que a Assunção de Maria Santíssima proclamada pela Igreja na Constituição Apostólica Munificentissimus Deus é fundamentada nas Sagradas Escrituras.
Afinal, se Ela apareceu como um grande sinal no céu, é porque na terra não está.

Sejamos, portanto, descendentes da Mulher (Gn 3,15)!
Sejamos aqueles que na terra acudiram a Mulher (Ap 12,16)!
Sejamos aqueles que, cumprindo o que determinam as Sagradas Escrituras, proclamam Virgem Maria como BEM-AVENTURADA (Lc 1,48)!

Fica com Deus!
avatar
Flávio Roberto Brainer de
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 1189
Data de inscrição : 13/09/2009
Idade : 59
Localização : Gravatá - PE

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Pe. Anderson em Dom Out 18, 2009 8:28 am

Caros amigos,

Com tudo o que foi escrito nesse tópico, creio que poderíamos fazer um livro! Agradecemos sinceramente a participaçao de todos e que o Senhor nos ajude a aprofundar cada vez mais no conhecimento da sua Pessoa e da sua Palavra.

Para mim, é impossível comentar tudo o que foi escrito aqui nesses últimos dias. O motivo é simples: falta da tempo. Mas, de todas formas, gostaria de colaborar esclarecendo a doutrina católica em alguns pontos.

O primeiro ponto é como a leitura da Bíblia feita em família (o que nós católicos chamamos de Tradiçao), entendeu alguns textos do Antigo e do Novo Testamento, em relaçao à figura de Maria. O primeiro que podemos dizer é que os cristaos sempre entenderam a figura de Maria em relaçao à figura de Eva. Maria é chama pelos cristaos, desde o primeiro século, de Nova Eva, de verdadeira Eva. O motivo é o seguinte: assim como Eva estava intimamente unida a Adao, Maria está unida intimamente unida a Cristo, o novo Adao, como nos ensina Sao Paulo. Eva desobedeceu a Deus, escutando a palavra do anjo mau (da serpente), e Maria obedeceu a Deus, através do seu sim ao anjo Gabriel e se fez assim "a serva do Senhor". Dessa forma, os Padres da Igreja entenderam que Maria venceu onde Eva foi derrotada (na obediência a Deus) e se tornou assim a Mae dos filhos de Deus, na ordem da graça. "Eva" significa mae dos viventes; ela o è na ordem natural; Maria é a verdadeira Mae dos viventes na ordem da graça, devido a sua uniao perfeita ao Filho de Deus.

Como a Igreja leu a Bíblia. Ponho aqui um texto do Concílio Vaticano II, que nos mostra o que a Igreja diz realmente diz sobre Maria, e nao o que alguns pensam que os católicos afirmam sobre Maria Santíssima:




A mãe do Redentor no Antigo Testamento: A Sagrada Escritura do Antigo e Novo Testamento e a venerável Tradição mostram de modo progressivamente mais claro e como que nos põem diante dos olhos o papel da Mãe do Salvador na economia da salvação. Os livros do Antigo Testamento descrevem a história da salvação na qual se vai preparando lentamente a vinda de Cristo ao mundo. Esses antigos documentos, tais como são lidos na Igreja e interpretados à luz da plena revelação ulterior, vão pondo cada vez mais em evidência a figura duma mulher, a Mãe do Redentor. A esta luz, Maria encontra-se já profeticamente delineada na promessa da vitória sobre a serpente (cfr. Gén. 3,15), feita aos primeiros pais caídos no pecado. Ela é, igualmente, a Virgem que conceberá e dará à luz um Filho, cujo nome será Emmanuel (cfr. Is. 7,14; cfr. Miq. 5, 2-3; Mt. 1, 22-23). É a primeira entre os humildes e pobres do Senhor, que confiadamente esperam e recebem a salvação de Deus. Com ela, enfim, excelsa Filha de Sião, passada a longa espera da
promessa, se cumprem os tempos e se inaugura a nova economia da salvação, quando o Filho de Deus dela recebeu a natureza humana, para libertar o homem do pecado com os mistérios da Sua vida terrena.


Maria na Anunciação: Mas o Pai das misericórdias quis que a aceitação, por parte da que Ele predestinara para mãe, precedesse a encarnação, para que, assim como uma mulher contribuiu para a morte, também outra mulher contribuísse para a vida. É o que
se verifica de modo sublime na Mãe de Jesus, dando à luz do mundo a própria Vida, que tudo renova. Deus adornou-a com dons dignos de uma tão grande missão; e, por isso, não é de admirar que os santos Padres chamem com freqüência à Mãe de Deus «toda santa» e «imune de toda a mancha de pecado», visto que o próprio Espírito Santo a modelou e d'Ela fez uma nova criatura. Enriquecida,
desde o primeiro instante da sua conceição, com os esplendores duma santidade singular, a Virgem de Nazaré é saudada pelo Anjo, da parte de Deus, como «cheia de graça» (cfr. Luc. 1,28); e responde ao mensageiro celeste: «eis a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra» (Luc. 1,38). Deste modo, Maria, filha de Adão, dando o seu consentimento à palavra divina, tornou-se Mãe de Jesus e, não retida por qualquer pecado, abraçou de todo o coração o desígnio salvador de Deus, consagrou-se totalmente, como escrava do Senhor, à pessoa e à obra de seu Filho, subordinada a Ele e juntamente com Ele, servindo pela graça de Deus onipotente o mistério da Redenção. por isso, consideram com razão os santos Padres que Maria não foi utilizada por Deus como instrumento meramente passivo, mas que cooperou livremente, pela sua fé e obediência, na salvação dos homens. Como diz S. Ireneu, «obedecendo, ela tornou-se causa de salvação, para si e para todo o gênero humano». Eis porque não poucos, Padres afirmam com ele, nas suas pregações, que «o no da desobediência de Eva foi desatado pela obediência de Maria; e aquilo que a virgem Eva atou, com a sua incredulidade, desatou-o a virgem Maria com a sua fé»; e, por comparação com Eva, chamam Maria a «mãe dos vivos» e afirmam muitas vezes: «a morte veio por Eva, a vida veio por Maria» (Lumen Gentium 55 e 56).



Seguiremos mais adiante. Um grande abraço a todos.
avatar
Pe. Anderson
Admin

Mensagens : 952
Data de inscrição : 10/09/2008
Idade : 35
Localização : Roma

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por David em Seg Out 19, 2009 11:00 am

Pe. Anderson escreveu:
[justify]
O primeiro ponto é como a leitura da Bíblia feita em família (o que nós católicos chamamos de Tradiçao), entendeu alguns textos do Antigo e do Novo Testamento, em relaçao à figura de Maria. O primeiro que podemos dizer é que os cristaos sempre entenderam a figura de Maria em relaçao à figura de Eva.


Olá, Padre Anderson... Paz do Senhor Jesus esteja contigo


A expectativa era a da vinda do MEssias e todas as profecias nos apontavam para a sua vinda! Assim como hoje temos escrito que existem sinais que ANTECEDEM a Volta dEle, também existiam naquele tempo os SINAIS que mostravam a Sua ENCARNAÇÃO.

Jesus VIRÁ NOVAMENTE, padre, e acredito que sabe disso. Acredito também, que sabe que a Escritura nos apontam HOJE vários sinais que antecedem a Sua Volta, e assim, eu, como também vários outros cristãos, esperamos o retorno de Jesus! Assim, da mesma forma, foi apontado um sinal para aqueles daquela época, de antes de Cristo, de que a profecia de Gênesis iria se cumprir. O sinal era que uma mulher virgem iria CONCEBER! Este era o sinal de que o Messias estaria entre os homens! Assim, a espectativa era para a VINDA do Messias, a vinda de JESUS CRISTO


Maria é chama pelos cristaos, desde o primeiro século, de Nova Eva, de verdadeira Eva. O motivo é o seguinte: assim como Eva estava intimamente unida a Adao, Maria está unida intimamente unida a Cristo, o novo Adao, como nos ensina Sao Paulo.

Não aceitamos esta analogia porque Eva era ESPOSA de Adão... E este não veio de Eva! No Entanto, a Escritura faz realmente analogia entre Adão e Jesus Cristo

1Co 15:21 - Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem.

1Co 15:45 - Assim está também escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito em alma vivente; o último Adão em espírito vivificante.


Assim, há mesmo a analogia entre Jesus e Adão... Mas e entre MAria e Eva? Ora, essa é uma analogia extra bíblica... Não existe na Escritura. É algo criado por homens que querem apenas elevar a pessoa da humilde mãe do Salvador a um posto que ela não tem, a de que AJUDOU, a de que é có redentora no plano de Salvação! Isso além de ser antibíblico, torna INEFICAZ o Sacrifício do Calvário para quem acredita assim, pois que, se ela é "co redentora", acaba sendo também o caminho que conduz para a vida, e esses que pensam assim, acabam por medindo por mediação dela...

Ora, amados o homem só tem acesso a Deus através de Jesus! Não existe "co redentor" não existe "ajudante"... Jesus é O Único caminho, é a Única Porta, é a Única Verdade!

João 14:6
6 Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.

Não é por mediação de Pedro, não é por mediação de Paulo, de Elias, ou de Maria, pois que estes nada podem fazer por nós, que estamos vivos... A mediação entre Deus e os homens é apenas de Jesus Cristo!

Eva desobedeceu a Deus, escutando a palavra do anjo mau (da serpente), e Maria obedeceu a Deus, através do seu sim ao anjo Gabriel e se fez assim "a serva do Senhor". Dessa forma, os Padres da Igreja entenderam que Maria venceu onde Eva foi derrotada (na obediência a Deus) e se tornou assim a Mae dos filhos de Deus, na ordem da graça.

Essa analogia também não satisfaz, padre... Pois a pobre da Eva foi tentada por satanás, enquanto Maria recebeu a visita de um anjo de Deus que não a estava tentando para algo mal, que desagradaria a Deus!

"Eva" significa mae dos viventes; ela o è na ordem natural; Maria é a verdadeira Mae dos viventes na ordem da graça, devido a sua uniao perfeita ao Filho de Deus.

Eu não vejo problema em fazermos analogias dentro da Escritura desde que haja BASE escriturística para tal... Ora, de Eva todos descendem, pois temos realmente a natureza de Eva, herdamos a natureza dela e de Adão... Mas e Maria? Dizer que herdaremos a "natureza de Maria" significa dizer que ela, Maria, é o EXEMPLO, é o PARADIGMA. E isso não é verdade, pois Maria tinha a mesmíssima natureza de Adão!

Aquele que aceita a Jesus, terá seu corpo glorificado em semelhança ao dELe, Jesus Cristo! É isso que encontramos na Escritura!

Rom 6:5 - Porque, se temos sido unidos a ele na semelhança da sua morte, certamente também o seremos na semelhança da sua ressurreição;


Nada, na Escritura, nenhum um único texto, faz alusão de alguém ser semelhante a MAria... A semelhança do verdadeiro cristão, após a vinda do Senhor, será com CRISTO, terá o corpo semelhante ao dEle, JEsus Cristo! Este é o ensinamento que encontramos por toda a Escritura e, caso se precise, postarie vários outros textos que mostram este ensinamento.

Em Cristo

David
avatar
David

Mensagens : 192
Data de inscrição : 29/09/2009
Localização : Brasil

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Pe. Anderson em Seg Out 19, 2009 1:15 pm

Caro David,

A paz de Cristo para você também. Muito obrigado pela sua resposta, você sempre nos mostra um grande respeito e um grande amor pelas Escrituras. Muito obrigado e esperamos continuar a discussão assim.

Jesus VIRÁ NOVAMENTE, padre, e acredito que sabe disso. Acredito também, que sabe que a Escritura nos apontam HOJE vários sinais que antecedem a Sua Volta, e assim, eu, como também vários outros cristãos, esperamos o retorno de Jesus! Assim, da mesma forma, foi apontado um sinal para aqueles daquela época, de antes de Cristo, de que a profecia de Gênesis iria se cumprir. O sinal era que uma mulher virgem iria CONCEBER! Este era o sinal de que o Messias estaria entre os homens! Assim, a espectativa era para a VINDA do Messias, a vinda de JESUS CRISTO

Caro amigo, eu também creio na segunda vinda de Cristo. De fato isso nos católicos proclamamos todos os domingos nas nossas Missas: “Creio em Jesus Cristo Nosso... subiu aos Céus e donde há de vir a julgar os vivos e mortos” (Credo dos Apóstolos). Nesse ponto nós
estamos em acordo, católicos e outros cristãos.
Não aceitamos esta analogia porque Eva era ESPOSA de Adão... E este não veio de Eva! No Entanto, a Escritura faz realmente analogia entre Adão e Jesus Cristo

Caro amigo, vamos lembrar o que é uma analogia: é uma comparação. Em toda analogia há algo de semelhante e algo de dessemelhante: quando os cristãos, desde o primeiro século, fizeram a analogia de Eva e Maria não querem se referir ao fato de Maria ser esposa de Cristo (o que é evidentemente um absurdo), mas queriam se referir à obediência que ela teve sempre a Deus, em contraste com Eva. E a analogia de Eva e Maria está sim na Escritura, de forma implícita. Vamos ao texto bíblico de Lucas 1, 41-45:
“Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor? Pois assim que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria no meu seio. Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas!”

A analogia feita pelos cristãos desde o primeiro século se refere ao fruto de Maria (Jesus Cristo) e o fruto de Eva (o pecado). De fato, o pecado original foi a desobediência, expressa no fato de Adão e Eva comerem o fruto que Deus lhes havia proibido de comer. Por essa
desobediência eles foram privados da graça de Deus, expulsos do paraíso. Maria é proclamada bendita entre as mulheres por não ter parte no fruto de Eva, por isso ela foi chamada de “cheia de graça” pelo Anjo Gabriel. O fruto bendito de Maria é evidentemente Jesus Cristo, que Ela foi a única privilegiada a levar em seu seio.

Basta notar também que bastou a visita de Maria a Isabel (que portava no seu seio a Cristo, concebido por obra do Espírito Santo) para Isaber ficar cheia do Espírito Santo. Quer dizer, nesse texto nós podemos ver o que é que Maria traz aos homens: traz Cristo, devido à
sua eleição desde toda a eternidade pelo Pai, e devido à ação do Espírito Santo no seu corpo e na sua alma. Nesse sentido, o nosso Papa pode dizer em Lourdes no ano passado que Maria é como o “sorriso de Deus à humanidade”. Quer dizer, basta uma visita dela, para trazer a alegria materna, a graça do Espírito Santo.

Um exemplo dessa analogia feita no século II d.C. é de São Ireneu.

Ireneu de Lião:
"Por conseguinte (...) encontra-se Maria, Virgem obediente (...) Eva, ainda virgem, fez-se desobediente e tornou-se para si e para todo o gênero causa de morte. Maria, Virgem obediente, tornou-se para si e para todo o gênero humano causa de salvação (...) A partir de Maria até Eva retoma-se o mesmo círculo. Não existe outro modo de desatar o nó a não ser fazendo com que os fios da corda onde se deu o nó percorram o sentido contrário (...) Eis porque Lucas inicia a genealogia de Jesus começando pelo Senhor indo até Adão (Lc. 3,23-38), evidenciando que o verdadeiro movimento da geração não procede dos antepassados até Cristo, mas vai de Cristo a eles segundo o Evangelho da Vida. Assim é que a desobediência de Eva foi resgatada pela obediência de Maria. Com efeito, o nó que a virgem Eva atou com a incredulidade, Maria o desatou com a fé" (Contra as Heresias 3,22,4).

"Foi por meio de uma virgem (=Eva) desobediente que o homem foi golpeado, caiu e morreu. Da mesma forma, é pela Virgem [Maria], obediente à Palavra de Deus, que o homem (...) encontrou de novo a vida (...) Era justo e necessário que Adão fosse restaurado em Cristo, a fim de que o mortal fosse absorvido e tragado pela imortalidade e Eva fosse reconstruída em Maria. Deste modo, uma Virgem feita advogada de uma virgem, cancelou e anulou a desobediência de uma virgem com a sua obediência de virgem" (Demonstração da Pregação
Apostólica 33).

Voce pode encontrar mais exemplos dessa analogia em:Na Idade Média Santo Tomás de Aquino também fez perfeitamente a analogia entre Eva e Maria, tendo atenção sobre o fruto de Eva e o fruto de Maria. Dizia então que “no fruto de Maria encontramos tudo aquilo que Eva procurou no seu fruto e não encontrou:
Em primeiro lugar: Eva procurava a deificação: "Sereis como deuses" (Gen 3,5). E pelo fruto de Maria nos tornamos filhos de Deus: "Quando Deus se manifestar, seremos semelhantes a Ele, porque o veremos como Ele é" (1Jo 3,2).
Em segundo lugar: Eva desejava o deleite no seu fruto, mas não o encontrou, descobriu que estava nua e entrou a dor na sua vida. No fruto de Maria, por outro lado, encontramos o deleite e a salvação: "Quem come minha carne tem a vida eterna" (Jo 6, 55).
Por último: o fruto de Eva era sedutor no seu aspecto. O filho de Maria porém é tão belo que os próprios anjos contemplam: "É o mais belo dos filhos dos homens" (Sl 44, 3), porque "é o esplendor da glória de seu Pai" (Heb 1, 3).
Segundo Santo Tomás "o fruto da Virgem Maria é bendito por Deus, que de tal forma encheu-o de graças que sua simples vinda já nos faz render homenagem a Deus. Bendito seja Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que nos abençoou com toda a bênção espiritual em Cristo, declara São Paulo (Ef 1, 3)".

Sobre a mediação de Cristo e de Maria, vejo que você de fato não conhece a doutrina católica. De fato, nós nunca dizemos que o sacrifício de Cristo foi ineficaz para a salvação, ou que Maria pode substituir a função salvadora de Cristo. Mostrarei para você um texto do Concílio Vaticano II que fala claramente de Cristo como único Mediador. Está em Lumem Gentium 60-62

O influxo salutar de Maria e a mediação de Cristo: O nosso mediador é só um, segundo a palavra do Apóstolo: «não há senão um Deus e um mediador entre Deus e os homens, o homem Jesus Cristo, que Se entregou a Si mesmo para redenção de todos (1 Tim. 2,5-6). Mas a função maternal de Maria em relação aos homens de modo algum ofusca ou diminui esta única mediação de Cristo; manifesta antes a sua eficácia. Com efeito, todo o influxo salvador da Virgem Santíssima sobre os homens se deve ao beneplácito divino e não a qualquer necessidade; deriva da abundância dos méritos de Cristo, funda-se na Sua mediação e dela depende inteiramente, haurindo aí toda a sua eficácia; de modo nenhum impede a união imediata dos fiéis com Cristo, antes a favorece.


A maternidade espiritual: A Virgem Santíssima, predestinada para Mãe de Deus desde toda a eternidade simultaneamente com a encarnação do Verbo, por disposição da divina Providência foi na terra a nobre Mãe do divino Redentor, a Sua mais generosa cooperadora e a escrava humilde do Senhor. Concebendo, gerando e alimentando a Cristo, apresentando-O ao Pai no templo, padecendo com Ele quando agonizava na cruz, cooperou de modo singular, com a sua fé, esperança e ardente caridade, na obra do Salvador, para restaurar nas almas a vida sobrenatural. É por esta razão nossa mãe na ordem da graça.


A natureza da sua mediação: Esta maternidade de Maria na economia da graça perdura sem interrupção, desde o consentimento, que fielmente deu na anunciação e que manteve inabalável junto à cruz, até à consumação eterna de todos os eleitos. De fato, depois de elevada ao céu, não abandonou esta missão salvadora, mas, com a sua multiforme intercessão, continua a alcançar-nos os dons da salvação eterna. Cuida, com amor materno, dos irmãos de seu Filho que, entre perigos e angústias, caminham ainda na terra, até chegarem à pátria bem-aventurada. Por isso, a Virgem é invocada na Igreja com os títulos de advogada, auxiliadora, socorro, medianeira. [o texto do Concílio nao diz Mediadora]Mas isto entende-se de maneira que nada tire nem acrescente à dignidade e eficácia do único mediador, que é Cristo.
Efetivamente, nenhuma criatura se pode equiparar ao Verbo encarnado e Redentor; mas, assim como o sacerdócio de Cristo é participado de diversos modos pelos ministros e pelo povo fiel, e assim como a bondade de Deus, sendo uma só, se difunde vàriamente pelos seres criados, assim também a mediação única do Redentor não exclui, antes suscita nas criaturas cooperações diversas, que participam dessa única fonte.

Esta função subordinada de Maria, não hesita a Igreja em proclamá-la; sente-a constantemente e inculca-a aos fiéis, para mais intimamente aderirem, com esta ajuda materna, ao seu mediador e salvador.

Nós entendemos a mediação de Maria e dos santos como uma mediação subordinada à Cristo. Se basa no ensinamento paulino de que a Igreja é o “corpo de Cristo”, de que todos os cristãos estao inseridos a Cristo como o ramo à videira.[size=18]

[size=18]“Ora, de Eva todos descendem, pois temos realmente a natureza de Eva, herdamos a natureza dela e de Adão... Mas e Maria? Dizer que herdaremos a "natureza de Maria" significa dizer que ela, Maria, é o EXEMPLO, é o PARADIGMA. E isso não é verdade, pois Maria tinha a mesmíssima natureza de Adão!”
Os cristãos nunca disseram que nós herdamos a natureza de Maria. Jesus Cristo sim a herdou (a natureza humana) e isso deve ser levado em conta, deve nos fazer muito agradecidos a Maria, instrumento especialíssimo escolhido por Deus. Nós chamamos a Maria de nossa mãe em ordem da graça (e a analogia com Eva está no fato das duas mulheres serem nossa mãe, uma no estado natural e a outra no
sobrenatural). O Vaticano II expressa da seguinte forma:

“Ela cooperou de modo singular, com a sua fé, esperança e ardente caridade, na obra do Salvador, para restaurar nas almas a vida sobrenatural. É por esta razão nossa mãe na ordem da graça.”

Por último você nos diz:

“A semelhança do verdadeiro cristão, após a vinda do Senhor, será com CRISTO, terá o corpo semelhante ao dEle, JEsus Cristo!”

Estamos absolutamente de acordo com isso. Estamos de acordo que seremos semelhantes a Jesus, seremos semelhante a Deus, pois o veremos tal qual Ele é, como afirma Sao Paulo. Ao mesmo tempo, estamos convictos que o corpo de Jesus veio a nós por obra do Espírito Santo e de Maria Santíssima. Você já pensou como Jesus Cristo deveria ser parecido a Maria? Por outro lado, visto que Nosso
Senhor é o “mais belo entre os homens” (Sal 44), como deve ser a beleza de Maria? Estamos convencidos que no final, todos os que renascerem com Cristo serão muito semelhantes a Cristo, que era certamente parecidíssimo a Maria. No final, todos teremos certa semelhança com Maria, a obra prima da Santíssima Trindade.

Um grande abraço e obrigado por sua participação.


Última edição por Pe. Anderson em Seg Out 19, 2009 2:49 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Pe. Anderson
Admin

Mensagens : 952
Data de inscrição : 10/09/2008
Idade : 35
Localização : Roma

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por são vieira em Seg Out 19, 2009 2:20 pm

só uma questão... fiquei com uma dúvida... pelo que percebi, os que forwem considerados que vão para o céu vão ter corpo espiritual igual de cristo, e até aí concordo plenamente.. mas cristo virá de forma visivel? a biblia diz que nunca mais nenhum olho o veria... mas de qualquer forma, se de forma carnal seremos parecidos com Maria e Jesus.. não perdemos nós a nossa identidade? não entendi o ponto em questão...atenciosamente

são vieira

Mensagens : 578
Data de inscrição : 15/07/2009
Idade : 36
Localização : portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por David em Seg Out 19, 2009 4:40 pm

Pe. Anderson escreveu:Caro David,


Caro amigo, eu também creio na segunda vinda de Cristo. De fato isso nos católicos proclamamos todos os domingos nas nossas Missas: “Creio em Jesus Cristo Nosso... subiu aos Céus e donde há de vir a julgar os vivos e mortos” (Credo dos Apóstolos). Nesse ponto nós estamos em acordo, católicos e outros cristãos.


Olá, padre Anderson... Paz do Senhor Jesus...


Amém... Fico feliz por concordarmos sobre o retorno dELe! Pois sua volta é a Esperança de todo o crente, e esta Esperança é VIVA! Geralmente, no meio ímpio, se costuma dizer que "a esperança é a última que morre...", mas aquele que é de JEsus, diz esse ditado de uma outra maneira, "a esperança é a Única que VIVE", pois para o crente a sua Esperança não morre, continua viva!! Embora este corpo morra, a ressurreição é algo REAL e que vai acontecer!

Caro amigo, vamos lembrar o que é uma analogia: é uma comparação. Em toda analogia há algo de semelhante e algo de dessemelhante: quando os cristãos, desde o primeiro século, fizeram a analogia de Eva e Maria não querem se referir ao fato de Maria ser esposa de Cristo (o que é evidentemente um absurdo), mas queriam se referir à obediência que ela teve sempre a Deus, em contraste com Eva.


O abençoado tentou fazer uma analogia de que, assim como Eva havia sido tentada por satanás e caiu, Maria havia sido visitada por um anjo e deu o "sim"... E eu falei que esta analogia não servia porque Eva havia sido tentada por satanás. O inimigo estava ali para enganá-la, para colocá-la contra Deus, enquanto que o caso de Maria foi completamente diferente... ELa, MAria, não foi tentada, mas apenas COMUNICADA de que receberia uma grande benção, que a faria ser lembrada pelo resto da história... Assim, nessa analogia, muitos podem dizer que para Maria, a situação foi bem mais favorável!

E a analogia de Eva e Maria está sim na Escritura, de forma implícita. Vamos ao texto bíblico de Lucas 1, 41-45:
“Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor? Pois assim que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria no meu seio. Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas!”


A palavra "bendito" significa "abençoado", significa "feliz", e foi realmente uma benção para Maria ter sido a escolhida para ser a mãe do Salvador! VEja que no finalzinho da conversa, Isabel conclui que Maria foi abençoada porque CREU! Veja como Isabel finalizour: "Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas"...

Maria foi bendita, ou seja, abençoado, feliz, porque CREU!

O que quero mostrar com isso, padre, é que Jesus Cristo era o Centro das Atenções, era Ele QUem era esperado e a mulher, a virgem que ia conceber, era apenas um dos sinais de que o MEssias viria entre os homens!

Isa 7:14 - Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel.

A virgem conceber era o SINAL de que o Messias estava entre os homens!

Da mesma forma que nos é dado, hoje em dia os sinais da volta do Messias, também foram dados sinais, quando de sua primeira vinda!

A analogia feita pelos cristãos desde o primeiro século se refere ao fruto de Maria (Jesus Cristo) e o fruto de Eva (o pecado).

Adão e Eva desobedeceram a Deus, por isso herdamos a natureza deles, propensa para o pecado, tendente para as obras da carne... Mas em Maria não herdamos nada a nova natureza, padre. A nova natureza não vem de Maria! O homem pecador, quando reconhecer o seu estado de pecador e aceita a a Cristo como Único e Suficiente Salvador, tem a sua herança de Adão, a herança de SEGUNDA MORTE, mudada para herança de VIDA PLENA. E esta mudança se dá em JESUS CRISTO, não é em Maria! Os corpos serão semelhantes ao do Cristo ressurreto, e não ao de MAria! Pois esta também tinha a natureza de Adão... Maria era descendente de Adão, mas Jesus Cristo, NÃO!

Maria é proclamada bendita entre as mulheres por não ter parte no fruto de Eva, por isso ela foi chamada de “cheia de graça” pelo Anjo Gabriel. O fruto bendito de Maria é evidentemente Jesus Cristo, que Ela foi a única privilegiada a levar em seu seio.

MAria não era cheia de graça, padre... QUem era Cheio de Graça era Jesus Cristo! A palavra transliterada por "cheia de graça" em relação a MAria, no texto de Lucas 1:28, foi feito ERRADAMENTE em algumas bíblias católicas! Vamos analisar duas passagens e ver que JESUS CRISTO é Quem é Cheio de Graça!

João 1:14
14 E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade
.

Essa mesma passagem, em grego, encontramos da seguinte forma:

João 1:14
14. kai o logoV sarx egeneto kai eskhnwsen en hmin kai eqeasameqa thn doxan autou doxan wV monogenouV para patroV plhrhV caritoV kai alhqeiaV

Fonte: http://www.bibliacatolica.com.br/11/50/1.php

Segundo o Greek Lexicon, a palavra "plhrhV" significa:

πλήρης,a {play'-race}
completo, ou seja, preenchida (em oposição ao vazio) de
1a) vasos ocos
1b) uma superfície coberta de cada parte
1c) completo da alma, completamente impregnado de
2) completa, ou seja, sem faltar nada, perfeito

FONTE: http://www.greekbible.com/l.php?plh/rhs_a-----nsm-_p


E a segunda palavra grega "caritoV" significa:

χάρις,n {khar'-ece}
graça, graça que proporciona alegria, prazer, beleza 2) favor, da bondade misericordiosa pela qual Deus, exercendo sua influência sobre as almas, transforma-os a Cristo, 3) o que é devido a graça 3a) a condição espiritual de um regido pelo poder da graça divina 3b) o símbolo ou prova de graça, benefício 3b1) um dom da graça 3B2) benefício, graça 4), graças, (para os benefícios, serviços, favores), recompensa, recompensa

FONTE: http://www.greekbible.com/l.php?xa/ris_n-----gsf-_p

Assim, padre, veja que a palavra transliterada por "cheia de graça" na passagem de Lucas, na tradução de algumas bíblias católicas, nada tem a ver com esta palavra acima de João 1!

Em Lucas 1, encontramos o seguinte, de acordo com a tradução de Almeida, Fiel, corrigida e revisada:

Lucas 1
28 E, entrando o anjo aonde ela estava, disse: Salve, agraciada; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres.

O texto em grego:

Lucas 1:28
kai eiselqwn o aggeloV proV authn eipen caire kecaritwmenh o kurioV meta sou euloghmenh su en gunaixin

FONTE: http://www.bibliacatolica.com.br/11/49/1.php

A palavra ERRADAMENTE traduzida como "cheia de graça" é "kecaritwmenh" que, segundo o GREEK LEXICON, signfica:

χαριτόω,v {khar-ee-to'-o}
1) para fazer graciosa 1a) charmoso, encantador, agradável 2) para examinar com graça, com muito favor 3) para honrar com bênçãos

FONTE: http://www.greekbible.com/l.php?xarito/w_v--xppvsf-_p

Assim, amado, a tradução CORRETA para o termo "kecaritwmenh" seria AGRACIADA, MUITO FAVORECIDA, ABENÇOADA, mas NUNCA "Cheia de Graça! Pois só o MEssias é "CHEIO DA GRAÇA!

Outra coisa, amado...

Segundo a Escritura todos descendem de Adão. Existe referência apenas a Jesus Cristo, dizendo que não tinha pecados... E sò com refefrência a ELE, encontramos que foi CONCEBIDO pelo Espírito Santo! Com relação aos homens, todos descendem de Adão, sem excessão!

Rom 3:23 - Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;

Assim, todos são pecadores e todos carecem de Salvador, todos carecem do Sacrifício do Calvário e isso inclui Maria. Ela própria, Maria, confessou precisar de Salvador, quando disse em seu cântico:

Luc 1:47 - E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador;

Assim, Maria confessou que precisava de Salvador! Qualquer outra crença sobre isso é EXTRA BÍBLICO, não se encontra na Escritura e é criação de homens!

Basta notar também que bastou a visita de Maria a Isabel (que portava no seu seio a Cristo, concebido por obra do Espírito Santo) para Isaber ficar cheia do Espírito Santo.

Maria era uma serva de Deus, fiel... Isso não há dúvida, padre! O fato de Isabel dizer a Maria, "Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas", nos mostra que Isabel já sabia do que acontecera a MAria e, assim, também como uma serva de Deus, Isabel se alegrou naquele momento!

Um exemplo dessa analogia feita no século II d.C. é de São Ireneu.

Ireneu de Lião:
"Por conseguinte (...) encontra-se Maria, Virgem obediente (...) Eva, ainda virgem, fez-se desobediente e tornou-se para si e para todo o gênero causa de morte. Maria, Virgem obediente, tornou-se para si e para todo o gênero humano causa de salvação (...) A partir de Maria até Eva retoma-se o mesmo círculo. Não existe outro modo de desatar o nó a não ser fazendo com que os fios da corda onde se deu o nó percorram o sentido contrário (...) Eis porque Lucas inicia a genealogia de Jesus começando pelo Senhor indo até Adão (Lc. 3,23-38), evidenciando que o verdadeiro movimento da geração não procede dos antepassados até Cristo, mas vai de Cristo a eles segundo o Evangelho da Vida. Assim é que a desobediência de Eva foi resgatada pela obediência de Maria. Com efeito, o nó que a virgem Eva atou com a incredulidade, Maria o desatou com a fé" (Contra as Heresias 3,22,4).

Amado, Jesus Cristo é o Centro! É através dEle que o pecador arrependido se chega a Deus! Maria é criação, descendia de Adão e Eva... Maria não é redentora, não é mediadora... Tudo isso faz com que os homens coloquem alguém, a criatura, no lugar dELe! FOi Ele, Jesus Cristo, Quem morreu no Calvário!

Gostaria de fazer algumas perguntas a ti, padre...


Maria tem mais amor pelo pecador arrependido do que Jesus Cristo?

Maria tem poderes, atribuídos apenas a Deus, como a ONIPRESENÇA?

Maria tem mais tempo disponível para atender aos homens?

Se a resposta do amado a todas essas questões for "não", eu faço outras!

Se Maria não tem mais amor do que Jesus, porque então não pedir diretamente a Jesus, que tem mais amor?

Se Maria não tem os poderes da ONIPRESENÇA, por que então não pedir a Jesus que pode estar em todos os lugares, ao mesmo tempo? Ora, se ela não é onipresente, não pode estar ao mesmo tempo em ROma, no BRasil e em Portugal! COisa que é "facim, facim" para Jesus!

A verdade, amados, é que JEsus Cristo, o Filho do Deus vivo, é o Único meio pelo qual o homem pode obter vida! Qualquer outra mensagem diferente desta, é doutrina de homens!

Que o Senhor nos ABençoe


David
avatar
David

Mensagens : 192
Data de inscrição : 29/09/2009
Localização : Brasil

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Alan em Seg Out 19, 2009 5:38 pm

Olá a todos


David, acho que para entender o que o Pe. Anderson você precisaria ter em mente o que significa a intervenção dos santos.

Se alguém lhe pedir para que reze por ele por algum motivo, você o faria?

Se sim, a partir desse momento você é um intercessor. Quando nos diirigimos aos santos é para que eles orem por nós.

Em relação a Maria eu a vejo como a guia que indica o caminho , que é Jesus. Lembre-se sempre de suas palavras nas bodas de caná

Jo 2,5
Sua mãe disse aos que estavam servindo: “Fazei tudo o que ele vos disser!”


Paz e Bem

Alan
avatar
Alan

Mensagens : 230
Data de inscrição : 05/06/2009
Idade : 31
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Flávio Roberto Brainer de em Seg Out 19, 2009 10:40 pm

Caríssimos,
Que a paz do Senhor esteja com todos!

David escreveu: "Tudo isso faz com que os homens coloquem alguem, a criatura no lugar d'Ele (NO LUGAR DO CRIADOR)."

É preciso, verificar nas Sagradas Escrituras o seu verdadeiro sentido. O fato de se colocar alguem ou alguma criatura no lugar do Criador pode se constituir no pecado da idolatria, mas é preciso, repito, examinar as Sagradas Escrituras para se compreender a que sentido esta afirmação se aplica. Do contrário, corre-se o risco de generalizar os fatos e, desta maneira, deturpar a Palavra de Deus.

Para compreensão desta realidade, transcrevo algumas citações que a tornam explícitas:

"Sede meus imitadores como eu sou de Cristo" (1Cor 11,1).

"E vós vos fizestes imitadores nossos e do Senhor, ao receberdes a palavra, apesar das muitas tribulações, com a alegria do Espírito Santo, de sorte que vos tornastes modelo para todos os fiéis (...)" (1Tes 1,6-7).

"Irmãos, sede meus imitadores, e olhai atentamente para os que vivem segundo o exemplo que nós vos damos" (Fip 3,17).

Observa-se que em todas estas citações São Paulo nos convida a imitá-lo quando, se seguirmos segamente a afirmação de Tiago, estariamos todos errados por imitarmos a São Paulo (CRIATURA) em vez de imitarmos o Salvador (CRIADOR). Assim sendo, estaria São Paulo se antepondo ao próprio Salvador? Obviamente que não, pois o que ele nos mostra é que, como cristãos, devemos, espelhando-nos uns nos outros, imitando as virtudes, praticando a caridade e vivendo a fé. Percebe-se, pois, que é muito fácil se deturpar a Palavra de Deus.

O fato de Jesus ser o ÚNICO MEDIADOR ENTRE DEUS E OS HOMENS QUE PODE SALVAR não exclui a intercessão dos irmãos na fé, nem dos santos, nem da Mãe de Jesus.

As Sagradas Escrituras mostram que todos devemos ser intercessores (Tg 5,13-20). Da mesma maneira nos asseguram da intercessão dos Santos, e dentre eles, da Mãe de Jesus (Ap 8,3).

Os católicos temos recebido muitas graças do Salvador que nos vieram por meio da intercessão de Nossa Senhora e dos Santos.

Como diz o adágio, "CONTRA FATOS NÃO HÁ ARGUMENTOS!"

"PEÇA A MÃE (MARIA) QUE O FILHO (JESUS) ATENDE!"

Fiquem com Deus !
avatar
Flávio Roberto Brainer de
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 1189
Data de inscrição : 13/09/2009
Idade : 59
Localização : Gravatá - PE

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Pe. Anderson em Ter Out 20, 2009 1:50 pm

Caro David,


Que o Senhor o abençoe também,


Querido amigo, tenho que reconhecer que com essa discussão estou aprendendo muito contigo: especialmente estou aprendendo duas coisas: estou aprendendo mais sobre a doutrina protestante (que realmente me interessa conhecer melhor e tenho que reconhecer que não a conheço tão bem como um irmão que vive diariamente nessas comunidades) e estou aprendendo contigo também algo que eu
já suspeitava: que o que muitos não católicos crêem que é doutrina católica, não é verdadeiramente doutrina católica. Creio que esse segundo é bastante normal acontecer. Como eu reconheço que não conheço algumas coisas que são ensinadas nas igrejas evangélicas (que em primeiro lugar, é impossível de numerar atualmente), também vejo um grande desconhecimento dos evangélicos a respeito das doutrinas católicas. Nós estamos aqui no nosso fórum com toda a paciência para esclarecer melhor as doutrinas católicas (quer dizer, a interpretação feita pelos cristão católicos ao redor desses 2000 anos de História) a todo aquele que estiver realmente interessado em conhecer. Creio que até mesmo a um que não está interessado em conhecer, mas está realmente impenhado em condenar as doutrinas católicas (certamente esse não é o seu caso), se quer faze-lo deveria fazer a partir do que realmente é a doutrina católica e não o que se imagina que é a doutrina católica.
Por isso gostaria de explicar alguns ensinamentos católicos a você. Espero dois objetivos: que você reconheça que estamos de acordo em vários pontos; e depois que você perceba que o que atribui ao ensinamento católico, nem sempre corresponde com a realidade.


Amém... Fico feliz por concordarmos sobre o retorno dELe! Pois sua volta é a Esperança de todo o crente, e esta Esperança é VIVA! Geralmente, no meio ímpio, se costuma dizer que "a esperança é a última que morre...", mas aquele que é de JEsus, diz esse ditado de uma outra maneira, "a esperança é a Única que VIVE", pois para o crente a sua Esperança não morre, continua viva!! Embora este corpo morra, a ressurreição é algo REAL e que vai acontecer!
Sobre esse seu texto e sobre o seu anterior, eu realmente não o entendi. Creio que não é mistério para ninguém que nós rezamos em todas as Missas dominicais o Credo Apostólico ou o Credo Niceno-Constatinopolitano, desde o século IV. Nesse segundo credo dizemos: “...Ressuscitou dos mortos ao terceiro dia, conforme as Escrituras; E subiu aos céus, onde está assentado à direita de Deus Pai. Donde há de vir, em glória, para julgar os vivos e os mortos; e o Seu reino não terá fim.” Realmente não entendo o que você quer dizer aqui.


O abençoado tentou fazer uma analogia de que, assim como Eva havia sido tentada por satanás e caiu, Maria havia sido visitada por um anjo e deu o "sim"... E eu falei que esta analogia não servia porque Eva havia sido tentada por satanás. O inimigo estava ali para enganá-la, para colocá-la contra Deus, enquanto que o caso de Maria foi completamente diferente... ELa, MAria, não foi tentada, mas apenas COMUNICADA de que receberia uma grande benção, que a faria ser lembrada pelo resto da história... Assim, nessa analogia, muitos podem dizer que para Maria, a situação foi bem mais favorável!
Caro amigo, eu quero te dizer que a analogia entre Eva e Maria é feita pela própria Escritura. Uma analogia é uma forma de comparar duas realidades semelhantes: duas coisas são semelhantes quando possuem algo igual e algo em diferente. Se não é assim, duas coisas são comparadas são tidas como diferentes ou iguais. A analogia é um meio termo entre a linguagem unívoca e a linguagem equívoca.
Nesse sentido podemos dizer que a Escritura fez uma analogia entre Eva e Maria pois ambas tem grandes semelhanças (não dizemos que são iguais entre si). O que elas tem em comum? O fato das duas serem mulheres; o fato de estarem unidas inteiramente a dois homens (Eva a Adao e Maria a Cristo); o fato das duas serem virgens. O fato das duas serem mães. O Fato das duas serem visitadas por um anjo. A uma foi
oferecida o pecado e a outra a colaboração ativa com o projeto salvífico de Cristo (e nesse ponto há uma dessemelhança), mas há ao mesmo tempo algo de semelhante entre as duas: as duas eram livre para responder ao que lhes era proposto. Eva escolheu o pecado e Maria escolheu a colaboração com Deus. Uma escolheu a desobediência e outra disse: “eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua Palavra”. Também há de comum com as duas a referencia a um fruto: o fruto proibido oferecido a Eva e a palavra de Isabel a Maria "bendito é o fruto do teu ventre”. A partir desses pontos em comum e a partir desses pontos dessemelhantes entre essas duas personagens, os cristãos de todos os períodos da história leram as Sagradas Escrituras fazendo a analogia de Eva e Maria. Isso foi feito do século I até hoje, e continuará sendo feito pelos cristãos, pois isso nos permite a Escritura.
Lembremos aqui: “Porei inimizades entre a serpente e a mulher e entre a sua posterioridade e a posterioridade dela” (Gen. 3,15).
O Catecismo da Igreja Católica recolhendo essa tradição afirma:

“A Virgem Maria cooperou para a salvação humana com livre fé e obediência. Pronunciou o seu “faça-se” em representação de toda a natureza humana. Pela sua obediência, tornou-se a nova Eva, Mãe dos viventes (CIC 511).
Vejamos exemplos dessa analogia na História da Igreja:
Sao Justino Mártir: "Entendemos que Jesus se fez homem, por meio da Virgem, a fim de que o caminho que deu origem à desobediência instigada pela serpente fosse também o caminho que destruísse a desobediência. Eva era virgem e incorrupta; concebendo a palavra da serpente, gerou a desobediência e a morte. A Virgem Maria, porém, concebeu fé e alegria quando o anjo Gabriel lhe anunciou a boa nova de que o Espírito do Senhor viria sobre ela; a força do Altíssimo a cobriria com sua sombra, de modo que o Santo que dela nasceria seria o Filho de Deus. Então respondeu ela: 'Faça-se em mim segundo a tua palavra'. Da Virgem, portanto, nasceu Jesus, de quem falam as
Escrituras (...) aquele por quem Deus destrói a serpente" (Diálogo com Trifão 100,4-5).

Efrém da Síria: "O anjo Gabriel foi enviado a Maria para preparar uma morada para o seu Senhor. Nela, a raça dos homens vis e insignificantes se uniu com a raça divina que está acima de todas as paixões (...) Pela prole de Maria, tem sido abençoada aquela mãe que foi amaldiçoada em seus filhos (Gen 3,16), trazendo bênçãos, as mais profundas, a esta mulher cuja prole destruiu a morte e a Satanás. E no seio de Maria se fez criança Aquele que é igual a seu Pai desde a eternidade; comunicou-nos sua grandeza e assumiu nossa pequenez; conosco se fez mortal e nos infundiu sua vida a fim de livrar-nos da morte (...) Maria é o jardim ao qual desceu do Pai a chuva da bênção. Esta aspersão chegou até o rosto de Adão e, assim, Este recobrou a vida e se levantou do sepulcro, já que por seus inimigos tinha sido sepultado no Xeol" (Carmina Soguita 1).
Depois temos que esclarecer o seguinte: nós cristãos católicos estamos de acordo que Maria é uma criatura, que ela foi salva por Cristo. O dogma de fé da maternidade divina (afirmado desde o ano 431) não significa que Maria é uma deusa, que é superiora a Cristo ou que pode ser substituir a Cristo como nossa salvadora ou Mediadora. Creio que isso você atribui à doutrina católica, mas isso não encontra nenhum
fundamento na verdade católica.
A maternidade divina foi afirmada num Concílio que estudava um tema cristológico: a unidade das duas naturezas de Jesus Cristo na única pessoa divina do Verbo de Deus.
Lembremos alguns fatos: no Natal do ano 400 o Patriarca Nestório de Constantinopla começa a pregar dizendo que Maria não é a Mae de Deus, mas somente a Mae do Cristo. Isso seria assim, explicava ele, porque é verdade o que disseram em Nicéia, que Jesus Cristo tem
duas naturezas perfeitas (humana e divina) e duas naturezas completas não podem se unir. De forma que em Jesus Cristo há duas pessoas unidas acidentalmente (a divina e a humana). Por isso Maria seria só a mae da pessoa humana e não da divina.
Essa doutrina de Nestório horrorizou os cristãos e para discutir isso foi convocado o Concílio de Nicéia em 431. A conclusão que se chegou lá foi que em Cristo as duas naturezas perfeitas estao unidas na única pessoa. E Maria é mãe dessa pessoa e não mãe de uma natureza. Isso não significa que ela é anterior a Cristo ou que ela deu a divindade dele: mas quer dizer que ela é verdadeira e única mãe de Jesus Cristo, a Pessoa única do verbo encarnado. Isso parece difícil entender, mas algo difícil ocorre com todos nós. Nós recebemos de nossos pais somente nossos corpos, nossas almas vem diretamente de Deus. No entanto, nossos pais são pais de nossas pessoas inteiras e não pais de nossa matéria. O mesmo ocorre com Maria: é verdadeira Mae de Deus por haver gerado o Filho único de Deus no seu seio. Esse foi todo seu privilégio, só ela e Deus Pai geraram a Cristo. O Pai desde toda a eternidade e ela o gerou no sentido que deu a natureza humana a Cristo (junto com a ação do Espírito Santo).
Se a expressão “maternidade divina” parece ambígua (dando a entender que Maria teria dado a divindade à Cristo) o que se deve fazer é esclarecer a ambigüidade, esclarecer o verdadeiro significado da expressão, e não rejeitá-la absolutamente.

Maria foi bendita, ou seja, abençoado, feliz, porque CREU!
Estamos de acordo com isso; ela foi feliz porque creu, porque disse sim a Deus e ela também foi salva por Cristo. Não negamos que ela também foi redimida por Cristo. Ao mesmo tempo o anjo disse que ela “encontrou graça diante de Deus” antes mesmo de Cristo ter nascido. Ora, se a graça nos vem depois do sacrifício de Cristo na cruz, como o amigo tão bem nos recorda sempre, e ao mesmo tempo ela recebeu a graça de Deus antes da Encarnaçao de Cristo, isso significa que Ela foi preparada por Deus para ser a mãe do Salvador, que os méritos do
sacrifício do Calvário foram aplicadas a ela antes mesmo da Encarnaçao do Salvador. Desde o início os cristãos afirmam que a aplicação dos méritos de Cristo à Maria se deu no momento mesmo da sua concepção (e a isso nós chamamos de “Imaculada Conceição”). Deus a liberou de toda manha de pecado antes mesmo da sua concepção. Isso é uma graça de Deus, uma verdadeira salvação dada a Ela por Cristo. Há duas formas de se redimir alguém: perdoando o pecado ou evitando que mancha do pecado toque a pessoa. Nós cremos que o amor filial de Cristo fez isso por Maria. Dessa forma Ele estaria levando a perfeição o quarto mandamento.

“Mas em Maria não herdamos nada a nova natureza, padre. A nova natureza não vem de Maria! O homem pecador, quando reconhecer o seu estado de pecador e aceita a a Cristo como Único e Suficiente Salvador, tem a sua herança de Adão, a herança de SEGUNDA MORTE, mudada para herança de VIDA PLENA. E esta mudança se dá em JESUS CRISTO, não é em Maria! Os corpos serão semelhantes ao do Cristo
ressurreto, e não ao de MAria! Pois esta também tinha a natureza de Adão... Maria era descendente de Adão, mas Jesus Cristo, NÃO!”
Me causaram surpresa essas suas palavras. Em primeiro lugar porque nós não dissemos em nenhum lugar que nós recebemos a nossa natureza humana de Cristo. O que sim dissemos é que Cristo sim a recebeu de Maria, e isso nos deveria fazer muito agradecidos àquela que colaborou dessa forma com os planos de Deus. Depois, nós católicos também dizemos que nossa salvação vem de Cristo e que Ele é o único Mediador entre Deus e os homens. Maria também foi salva pela graça de Cristo, que a Ela foi concedida antes mesmo da Encarnação de Cristo (como deduzimos dos textos bíblicos). Depois estamos de acordo que os nossos corpos serão semelhantes ao corpo de Cristo ressuscitado. Da mesma forma estamos convencidos que Cristo recebeu sua natureza humana de Maria, que certamente o fez parecidíssimo a Maria. Há um fenômeno natural aqui: todos filhos se parecem aos seus pais, deles recebem até mesmo sua herança genética. Nós cremos que isso continua no corpo de Cristo, pois Cristo não abandonou o seu corpo recebido de Maria, mas ele está ressuscitado e “Ele é o mesmo ontem, hoje e sempre” (Hebreus). Nós estamos absolutamente convencidos que Cristo tem a cara de Maria e uma vez que Ele é o “mais belo dos homens”, Maria é certamente o mais bela das mulheres. Ao final da História, na nossa ressurreição, creio e espero que todos nós nos pareceremos muitíssimo a Maria.
Depois você nos faz uma distinção muito boa, devo reconhecer, que eu não havia pensado. Você percebe muito bem que o anjo disse a Maria: “kecaritwmene” a de Jesus se diz em Jo 1,14: “pleres caris kai. Aletheias”.
Na Vulgata se traduz “kecaritwmene” como gratia plena. Essa é a tradução, feita por São Jerônimo no século IV é mais antiga e respeitada da língua latina. Até Lutero traduziu para o alemão essa versão. Essa é, geralmente a raiz das traduções nas línguas modernas, o que explica a expressao “cheia de graça” na maioria das línguas modernas.
Que podemos dizer dessa expressão? em primeiro lugar é particípio passado perfeito do verbo “Kharitoo: esse verbo tem um valor causativo e indica o efeito permanente que a graça fez a Maria. Ela é por isso “agraciada”, ela recebeu uma graça de Deus. E isso a distingue de Cristo, que é a plenitude da graça. Maria tem a graça de Deus, essa expressão tem um valor passivo e isso não é nenhum problema para nós católicos.

Com relação aos homens, todos descendem de Adão, sem excessão!”
Estamos de acordo e também dizemos que Maria descende de Adao. O que sim nós acrescentamos é que, por graça de Deus, Maria é antes membro de Cristo do que membro de Adão. Em outras palavras, a sua filiação a Adao está subordinada à sua pertença a Cristo.

“Assim, todos são pecadores e todos carecem de Salvador, todos carecem do Sacrifício do Calvário e isso inclui Maria. Ela própria, Maria, confessou precisar de Salvador, quando disse em seu cântico: Luc 1:47 - E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador;”
Amem, aleluia. Também estamos de acordo com o irmão nesse ponto!

“Amado, Jesus Cristo é o Centro! É através dEle que o pecador arrependido se chega a Deus! Maria é criação, descendia de Adão e Eva... Maria não é redentora, não é mediadora... Tudo isso faz com que os homens coloquem alguém, a criatura, no lugar dELe! FOi Ele, Jesus Cristo, Quem morreu no Calvário!”
Estamos de acordo que Jesus Cristo é o centro de nossa vida e que temos que segui-lo sempre. Isso mesmo foi nos ensinado por Maria: “façam tudo o que ele vos disser”. Depois, nós católicos nunca dissemos que Maria é redentora ou uma mediadora diferente de Cristo. Nós entendemos a mediação dos santos e de Maria como uma mediação subordinada a Cristo. Uma vez que nos fazemos “o corpo de Cristo” e que “o amor é mais forte que a morte” (Ct 8, não há motivos para negar que os que estao com Cristo não se preocupam conosco, que eles nos amam e pedem a Deus todas as graças para nós. Os cristãos são os membros do corpo de Cristo e por isso vivem da mesma vida que Ele vive (assim como os ramos estao ligados à Videira). Por isso lembramos:
“O nosso mediador é só um, segundo a palavra do Apóstolo: «não há senão um Deus e um mediador entre Deus e os homens, o homem Jesus Cristo, que Se entregou a Si mesmo para redenção de todos (1 Tim. 2,5-6). Mas a função maternal de Maria em relação aos homens de modo algum ofusca ou diminui esta única mediação de Cristo; manifesta antes a sua eficácia. Com efeito, todo o influxo salvador da Virgem Santíssima sobre os homens se deve ao beneplácito divino e não a qualquer necessidade; deriva
da abundância dos méritos de Cristo, funda-se na Sua mediação e dela depende inteiramente, haurindo aí toda a sua eficácia; de modo nenhum impede a união imediata dos fiéis com Cristo, antes a favorece.” (LG 60).
Sobre suas perguntas, vou tentar responder:
1) Maria tem mais amor pelo pecador arrependido do que Jesus Cristo?
Creio que Maria tem por todo pecador todo o amor que Ela recebe de Jesus Cristo, sua cabeça e cabeça da Igreja. Creio que esse amor
que ela nos tem é um amor filial, assim como ela teve amor por Cristo. Creio que podemos afirmar que ela foi a criatura que mais amou a Cristo nessa Terra e a que mais o amará para sempre. Isso por um simples motivo: porque ela é verdadeira mãe e creio que todos podemos dizer que a pessoa que mais nos ama nesse mundo é a nossa mãe. Dessa forma, Maria é modelo de amor verdadeiro a Jesus Cristo para todos os homens.
2)
Maria tem poderes, atribuídos apenas a Deus, como a ONIPRESENÇA?
Maria é um membro iminente do Corpo místico de Cristo e recebe de Deus todos os dons que Deus quiser dar. A onipresença é um atributo exclusivo de Deus, que é absolutamente simples e sustenta tudo com o seu ser. Maria poderia conhecer tudo o que Deus quiser, por graça do próprio Deus e por isso Cristo pode dar a ela a graça de conhecer as nossas orações. Nós cremos que a Igreja é uma grande comunidade de pessoas que se amam e são unidos por Deus, que é amor.

3) Maria tem mais tempo disponível para atender aos homens?
Essa sua pergunta não tem sentido, pois quem está nos Céus está fora dos limites do espaço e do tempo. Nem ela nem Cristo tem mais tempo disponível no Céu, porque no Céu não há tempo, que entendo como “a medida do movimento segundo o antes e o depois” (Aristóteles). No Céu não há movimento, só fruir de Deus.
4) Se Maria não tem mais amor do que Jesus, porque então não pedir diretamente a Jesus, que tem mais amor?
Pedir a Maria não nos impede de pedir diretamente a Jesus nada. Só cremos que a Palavra de Cristo ao discípulo amado na cruz: “Filho, eis aí a tua mãe”, é uma palavra a todos os discípulos amados de Jesus. Também cremos que as palavras da Escritura “todas as gerações hão de chamar-me de Bem-aventurada” são verdadeiras.
Agora gostaria de te fazer umas perguntas também:
1) Você ama a Maria?
2) Você acha que Deus que é amor condenaria alguém por amar demasiado uma pessoa?

Por fim, gostaria de te fazer uma súplica: o que para você talvez seja só um tema escriturístico (Maria) para nós católicos é uma
realidade viva. Por favor, pedimos que você continue respeitando-nos assim com nós respeitamos a todos os participantes do nosso fórum. Acima de todas disordâncias doutrinais deve está sempre a caridade. Nesse sentido, nós buscamos viver aqui o que o nosso Papa propoe aos cristaos do mundo inteiro: "caritas in veritate".

Caro amigo, levei umas horas preciosas para te responder a tudo o que voce me apresentou aqui. Nao sei quando terei mais tempo para continuar a discussao. Nao sei se entrarei no forum nesses últimos dias. Portanto, se eu nao te responder logo o que voce eventualmente postar, desculpe-me, nao é falta de interesse, mas falta de tempo. Espero sua compreensao e dos nossos leitores. Um grande abraço e que o Senhor te abençoe.
avatar
Pe. Anderson
Admin

Mensagens : 952
Data de inscrição : 10/09/2008
Idade : 35
Localização : Roma

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por David em Ter Out 20, 2009 3:58 pm

Pe. Anderson escreveu:
Caro David,


Que o Senhor o abençoe também,



Amém... Fico feliz por concordarmos sobre o retorno dELe! Pois sua volta é a Esperança de todo o crente, e esta Esperança é VIVA! Geralmente, no meio ímpio, se costuma dizer que "a esperança é a última que morre...", mas aquele que é de JEsus, diz esse ditado de uma outra maneira, "a esperança é a Única que VIVE", pois para o crente a sua Esperança não morre, continua viva!! Embora este corpo morra, a ressurreição é algo REAL e que vai acontecer!
Sobre esse seu texto e sobre o seu anterior, eu realmente não o entendi. Creio que não é mistério para ninguém que nós rezamos em todas as Missas dominicais o Credo Apostólico ou o Credo Niceno-Constatinopolitano, desde o século IV. Nesse segundo credo dizemos: “...Ressuscitou dos mortos ao terceiro dia, conforme as Escrituras; E subiu aos céus, onde está assentado à direita de Deus Pai. Donde há de vir, em glória, para julgar os vivos e os mortos; e o Seu reino não terá fim.” Realmente não entendo o que você quer dizer aqui.
Olá, padre, Anderson, PAz do Senhor esteja contigo...

Eu não quis me referir a alguém, individualmente, amado, mas apenas a prática da maioria das pessoas que vêem na morte o FIM de tudo! O que eu quis dizer é que para todo aquele que realmente conhece o significado da VINDA DE JESUS a terra, a morte desse corpo não é o fim, pois a ESPERANÇA da ressurreição permanece! Ela, a Esperança, não morrerá nunca, e um dia será alcançada, quando do retorno dEle!

Caro amigo, eu quero te dizer que a analogia entre Eva e Maria é feita pela própria Escritura. Uma analogia é uma forma de comparar duas realidades semelhantes: duas coisas são semelhantes quando possuem algo igual e algo em diferente. Se não é assim, duas coisas são comparadas são tidas como diferentes ou iguais. A analogia é um meio termo entre a linguagem unívoca e a linguagem equívoca.
É verdade, concordo sobre o conceito do termo "analogia", mas discordo quando o amado diz que é a ESCRITURA quem faz a analogia entre Eva e Maria!

Nesse sentido podemos dizer que a Escritura fez uma analogia entre Eva e Maria pois ambas tem grandes semelhanças (não dizemos que são iguais entre si).
Mas a Escritura não faz esta analogia, amado... Onde tem escrito esta analogia?
O que elas tem em comum? O fato das duas serem mulheres; o fato de estarem unidas inteiramente a dois homens (Eva a Adao e Maria a Cristo); o fato das duas serem virgens. O fato das duas serem mães.
Eu não vejo problemas em fazermos analogias dentro da Escritura para atingirmos um ensinamento bíblico... Desde que o ensinamento seja BÍBLICO!
A partir desses pontos em comum e a partir desses pontos dessemelhantes entre essas duas personagens, os cristãos de todos os períodos da história leram as Sagradas Escrituras fazendo a analogia de Eva e Maria. Isso foi feito do século I até hoje, e continuará sendo feito pelos cristãos, pois isso nos permite a Escritura.
Lembremos aqui: “Porei inimizades entre a serpente e a mulher e entre a sua posterioridade e a posterioridade dela” (Gen. 3,15).
Já falamos, um pouco mais atrás, sobre esta "posteridade", padre... ELa não é referência a Maria, é referência a JEsus Cristo! A palavra do grego koiné, na Septuaginta, "sperma" vertida por "descendência", ou por "posteridade", pode também ser traduzida por SEMENTE! E JEsus veio da SEMENTE de Maria! Não existe motivo para se querer inserir a pessoa da humilde mãe do Salvador aí, pois o Messias era Aquele que era esperado! A "virgem conceber" era apenas o SINAL da Encarnação do Messias!
“A Virgem Maria cooperou para a salvação humana com livre fé e obediência. Pronunciou o seu “faça-se” em representação de toda a natureza humana. Pela sua obediência, tornou-se a nova Eva, Mãe dos viventes (CIC 511).
Amado, olhe ara a Escritura... É JEsus Cristo o nosso Objetivo! AO dizer que Maria é "Ma~e de todo ser vivente" o amado equipara ela a Deus, que é Pai! Só ELe é PAI de todo ser vivente, não EXISTE MÃE, não existe um ser FEMININO na DIvindade!

Depois temos que esclarecer o seguinte: nós cristãos católicos estamos de acordo que Maria é uma criatura, que ela foi salva por Cristo.
Amém... EU creio que existe muitas pessoas esclarecidas nesse sentido... Mas falta uma melhor CONCIENTIZAÇÃO dos fiéis católicos, padre... Aqui, onde moro, no nordeste do Brasil, Maria é cultuada como uma deusa... As pessoas simplesmente adoram a Maria e nada é feito pelos padres para que isso não aconteça! Isso é errado, pois Jesus Cristo é QUem é o motivo do culto, JEsus Cristo é o Motivo do louvor, Jesus Cristo é o motivo de a herança herdada de Adão ser mudada para VIDA e vida com abundância!
A maternidade divina foi afirmada num Concílio que estudava um tema cristológico: a unidade das duas naturezas de Jesus Cristo na única pessoa divina do Verbo de Deus.
Amado, não olhe para dogmas e concílios que contrariam aquilo ensinado pela Escritura! Ela, a Escritura, é superior a qualquer dogma, a qualquer concílio! O dogma e as decisões dos concílios só devem ser aceitos se concordarem com aquilo registrado!
Lembremos alguns fatos: no Natal do ano 400 o Patriarca Nestório de Constantinopla começa a pregar dizendo que Maria não é a Mae de Deus, mas somente a Mae do Cristo. Isso seria assim, explicava ele, porque é verdade o que disseram em Nicéia, que Jesus Cristo tem duas naturezas perfeitas (humana e divina) e duas naturezas completas não podem se unir. De forma que em Jesus Cristo há duas pessoas unidas acidentalmente (a divina e a humana). Por isso Maria seria só a mae da pessoa humana e não da divina.
Essa doutrina de Nestório horrorizou os cristãos e para discutir isso foi convocado o Concílio de Nicéia em 431. A conclusão que se chegou lá foi que em Cristo as duas naturezas perfeitas estao unidas na única pessoa. E Maria é mãe dessa pessoa e não mãe de uma natureza.
Diga-me uma coisa, amado... A Divindade de JEsus é algo que ELe herdou de MAria? Ou seja, Jesus herdou de Maria o fato de já existir antes de ter encarnado? Jesus herdou de Maria o poder de estar onde tem dois ou trÊs reunidos em Seu Nome? Ou será que Ele herdou dela apenas a possibilidade de ter fome, sede e dor?
QUais os ATRIBUTOS que JEsus, como filho de MAria, HERDOU dela, padre?

Maria foi bendita, ou seja, abençoado, feliz, porque CREU!
Estamos de acordo com isso; ela foi feliz porque creu, porque disse sim a Deus e ela também foi salva por Cristo. Não negamos que ela também foi redimida por Cristo. Ao mesmo tempo o anjo disse que ela “encontrou graça diante de Deus” antes mesmo de Cristo ter nascido. Ora, se a graça nos vem depois do sacrifício de Cristo na cruz, como o amigo tão bem nos recorda sempre, e ao mesmo tempo ela recebeu a graça de Deus antes da Encarnaçao de Cristo, isso significa que Ela foi preparada por Deus para ser a mãe do Salvador, que os méritos do sacrifício do Calvário foram aplicadas a ela antes mesmo da Encarnaçao do Salvador. Desde o início os cristãos afirmam que a aplicação dos méritos de Cristo à Maria se deu no momento mesmo da sua concepção (e a isso nós chamamos de “Imaculada Conceição”).
Quando relacionada a salvação, a palavra "graça" significa "favor imerecido", padre, ou seja, que aquela pessoa NÃO MERECIA...
E todos, mesmo antes de Jesus, que morreram CRENDO que Deus tinha um Plano para a Redenção do homem, foram contemplados com a "graça imerecida", ou seja, com a salvação! Não existe base bíblica alguma para se dizer que Maria não tinha pecados, pois caso não os tivesse, ela NÃO PRECISARIA DE SALVADOR, como ela mesmo afirmou que precisava! Ora, amado, só precisa de Salvador, só precisa do Sacrifício do CAlvário QUEM TEM PECADOS, ou seja, todos os homens! Todos pecaram e estão destituídos da comunhão com o Altíssimo e, só através do Sacrifício do Calvário esta comunhão pode ser "religada".
Se alguém supostamente não tem pecados, não precisa de salvador, pois nunca esteve na condição de PERDIDO!
Deus a liberou de toda manha de pecado antes mesmo da sua concepção. Isso é uma graça de Deus, uma verdadeira salvação dada a Ela por Cristo.
Essa é uma crença completamente fora da Escritura, amado... Não há sequer como defender essa posiçao! Pois a própria Maria alegou PRECISAR de Salvador!
Depois você nos faz uma distinção muito boa, devo reconhecer, que eu não havia pensado. Você percebe muito bem que o anjo disse a Maria: “kecaritwmene” a de Jesus se diz em Jo 1,14: “pleres caris kai. Aletheias”.
Na Vulgata se traduz “kecaritwmene” como gratia plena. Essa é a tradução, feita por São Jerônimo no século IV é mais antiga e respeitada da língua latina. Até Lutero traduziu para o alemão essa versão.
Se Lutero traduziu "kecaritwmene" como "cheia de graça" também ERROU padre! Pois esta palavra significa "agraciada", "abençoada", "muito favolrecida", mas nunca "cheio de graça"! Eu mostrei o porque no meu último texto!

Com relação aos homens, todos descendem de Adão, sem excessão!”
Estamos de acordo e também dizemos que Maria descende de Adao. O que sim nós acrescentamos é que, por graça de Deus, Maria é antes membro de Cristo do que membro de Adão. Em outras palavras, a sua filiação a Adao está subordinada à sua pertença a Cristo.
Aí é que mora o erro. Ao dizer que Maria é "membro" de Cristo, ao invés de "membro" de Adão, se tenta EXCLUIR que ela tem pecado! E se faz isso sem base bíblica alguma! MEsmo MAria dizendo que o Senhor é seu Salvador!
Nós entendemos a mediação dos santos e de Maria como uma mediação subordinada a Cristo. Uma vez que nos fazemos “o corpo de Cristo” e que “o amor é mais forte que a morte” (Ct 8, não há motivos para negar que os que estao com Cristo não se preocupam conosco, que eles nos amam e pedem a Deus todas as graças para nós.
Diga-me uma coisa, padre... QUem morre pode escutar a quem está VIVO? Ou seja, minha avó que morreu há 5 anos, pode me escutar se eu tentar falar com ela, se eu tentar INVOCÁ-LA? Se ela não pode, porque o apóstolo Paulo, que morreu há quase 2 mil anos pode? QUal a base bíblica para isso? Acredito que esta é uma questão para um novo tópico: "pode alguém que morreu interceder por quem está vivo?"
Agora gostaria de te fazer umas perguntas também:
1) Você ama a Maria?
Eu tenho admiração por homens e mulheres de Deus, que se mantiveram fieis as ordenanças do Senhor! Assim, admiro muito ao profeta Elias, em quem o Espírito de Deus operava de tal forma, que até fogo caía do céu, após as palavras do profeta pedindo fogo... Admiro muito o apóstolo Paulo, que escreveu muito... Toda a doutrina da igreja vem de escritos paulinos! Este foi o apóstolo que mais trabalhou e que mais levou homens a Cristo! Aionda hoje seus escritos falam ao coração do homem em toda o planeta... Quanto a MAria, a Escritura fala bem pouco dela... Bem pouco mesmo! E eu a admiro, pois ela creu que o MEssias viria e que ELe é o Plano idealizado por Deus antes da fundação do mundo para a redenção de todo aquele que CRÊ!
E eu AMO a Jesus Cristo, padre... Este, JEsus Cristo, me amou primeiro, Este, te amou primeiro, bem antes de nós NASCERMOS!
Ele se deu a Si mesmo por mim e por ti, lá na cruz do Calvário! Mesmo sem merecer, Ele foi esbofeteado, cuspido, caluniado, por mim e POR TI... Mesmo levando chicotadas, durante o trajeto para o Calvário, ELe pensava em mim, Ele pensava em ti! Ele sabia que aquele Sacrifício daria a mim, daria a ti, a possibilidade de termos novamente COMUNHÃO com o Altissimo! A Ele, padre, que é a mas doce expressão do Amor, Jesus Cristo, eu AMO, pois o CONHEÇO, pois O sinto pertinho de mim, a cada dia... Mas os outros, não tive a chance de conhecer, AINDA... Pois estão num lugar reservado, esperando a ressurreição dos mortos, para assim, terems seus corpos GLORIFICADOS!
2) Você acha que Deus que é amor condenaria alguém por amar demasiado uma pessoa?
EU acredito que o abençoado deve estar se referindo a pessoa de Maria... Se for apenas admiração, se for apenas amor, não vejo problemas, amado... EMbora, sem dúvida nenhum sobre isso, nenhum dos que já morreram pode ESCUTAR a quem está VIVO! Assim, o Apóstolo Paulo, não escuta a quem lhes faça alguma prece, assim como PEdro, Lucas, ou mesmo MARIA! Vou abrir um novo tópico para que possamos trocar idéias sobre estas questões!

Por fim, gostaria de te fazer uma súplica: o que para você talvez seja só um tema escriturístico (Maria) para nós católicos é uma realidade viva. Por favor, pedimos que você continue respeitando-nos assim com nós respeitamos a todos os participantes do nosso fórum.
A intenção, amado, não é nunca magoar nem ofender... E peço perdão, desde já, se eu não soube em algum momento me expressar bem, e o texto ficou parecendo uma ofensa... Pois acredito que ninguém aqui quer xingar ou ofender a quem quer que seja, mas queremos apenas aprender mais da Escritura... Assim, se eu digo que biblicamente, MAria tinha pecados, não o faço para entristecer os colegas, mas apenas transcrevo aquilo que a Bíblia, a Palavra de Deus nos revela através do registro sagrado!
Que o Senhor nos abençoe e possa, a cada dia, abrir nosso entendimento...
David
avatar
David

Mensagens : 192
Data de inscrição : 29/09/2009
Localização : Brasil

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por David em Ter Out 20, 2009 4:24 pm

Alan Leal escreveu:Olá a todos

Se alguém lhe pedir para que reze por ele por algum motivo, você o faria?

Olá Alan, Paz do Senhor, querido...

Em primeiro lugar, Alan, eu posso interceder por ti, porque ESTOU VIVO, mas após a morte, se segue o juízo! Após a morte eu não poderia mais interceder por ti! Este é o ensinamento que encontramos por toda a Escritura!

Se sim, a partir desse momento você é um intercessor. Quando nos diirigimos aos santos é para que eles orem por nós.

O amigo deve ter algum ente querido falecido... Ora, poderia tu pedires a tua bisavó algo em teu benefício? Não parece isso mais doutrina espírita?

Amado, quem morre, prestará conta por si mesmo a Deus. Assim todos aqueles que morreram, seja ela Paulo, Pedro, João ou qualquer outro, estão a espera da ressurreição! Eles não ESCUTAM a tua petição! Sò JEsus pode fazer algo por ti, pois só Ele tem o Corpo ressurreto!

Em relação a Maria eu a vejo como a guia que indica o caminho , que é Jesus. Lembre-se sempre de suas palavras nas bodas de caná

Maria, assim, como os apóstolos e profetas, nada podem fazer pelo homem, pois morreram!


Vou criar um tópico sobre esta questão para meditarmos nela!

Em Cristo


David
avatar
David

Mensagens : 192
Data de inscrição : 29/09/2009
Localização : Brasil

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Alan em Ter Out 20, 2009 4:34 pm

David escreveu:Diga-me uma coisa, amado... A Divindade de JEsus é algo que ELe herdou de MAria? Ou seja, Jesus herdou de Maria o fato de já existir antes de ter encarnado? Jesus herdou de Maria o poder de estar onde tem dois ou trÊs reunidos em Seu Nome? Ou será que Ele herdou dela apenas a possibilidade de ter fome, sede e dor?


QUais os ATRIBUTOS que JEsus, como filho de MAria, HERDOU dela, padre?

Se admites que Jesus herdou os atributos humanos de Maria ( pois Ele é um humana completo) entras em contradição com o que disse aqui

David escreveu:Assim, se eu digo que biblicamente, MAria tinha pecados, não o faço para entristecer os colegas, mas apenas transcrevo aquilo que a Bíblia, a Palavra de Deus nos revela através do registro sagrado!

Se Maria tinha pecados, Jesus herdaria porém Ele não tinha pecados em seu ser.. Porque? Porque não herdou da mãe pois ela nao o tinha

E segundo seu pensamento Jesus foi concebido no corpo de uma pecadora o que para mim é um absurdo.

Maria é uma mulher de grande admiração, ela seguiu os passos de Jesus até o fim. Mesmo vendo seu filho amado sendo injustiçado, humilhado e crucificado ela manteve sua fé nas promessas de nosso Senhor. Se olhares para a situação ela poderia ter gritado, lutado, buscar vingança mas não o fez . Me diga o porquê? Eu sei o porque e talvez você também.

Em relação a crítica que faz em relação a devoção popular a Nossa Senhora concordo parcialmente com você. A devoção popular a Nossa Senhora é realmente de impressionar mas ao meu ver não passa para o nível de adoração. O que eu poderia criticar é que as pessoas dão uma importância maior ao dia de Nossa Senhora do que deveriam dar a Páscoa, mas a conscientização disso é extremamente frizada pelos padres.. pelo menos na minha Diocese.

Que Maria, a Rainha da Paz, ilumine nossas vidas em Cristo.

Paz e Bem

Alan
avatar
Alan

Mensagens : 230
Data de inscrição : 05/06/2009
Idade : 31
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Alan em Ter Out 20, 2009 4:37 pm

David escreveu:
Alan Leal escreveu:Olá a todos

Se alguém lhe pedir para que reze por ele por algum motivo, você o faria?

Olá Alan, Paz do Senhor, querido...

Em primeiro lugar, Alan, eu posso interceder por ti, porque ESTOU VIVO, mas após a morte, se segue o juízo! Após a morte eu não poderia mais interceder por ti! Este é o ensinamento que encontramos por toda a Escritura!

Se sim, a partir desse momento você é um intercessor. Quando nos diirigimos aos santos é para que eles orem por nós.

O amigo deve ter algum ente querido falecido... Ora, poderia tu pedires a tua bisavó algo em teu benefício? Não parece isso mais doutrina espírita?

Amado, quem morre, prestará conta por si mesmo a Deus. Assim todos aqueles que morreram, seja ela Paulo, Pedro, João ou qualquer outro, estão a espera da ressurreição! Eles não ESCUTAM a tua petição! Sò JEsus pode fazer algo por ti, pois só Ele tem o Corpo ressurreto!

Em relação a Maria eu a vejo como a guia que indica o caminho , que é Jesus. Lembre-se sempre de suas palavras nas bodas de caná

Maria, assim, como os apóstolos e profetas, nada podem fazer pelo homem, pois morreram!


Vou criar um tópico sobre esta questão para meditarmos nela!

Em Cristo


David

Boa idéia pois ja desviamos demais do assunto do tópico.

Paz e bem

Alan
avatar
Alan

Mensagens : 230
Data de inscrição : 05/06/2009
Idade : 31
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por David em Ter Out 20, 2009 4:49 pm

Alan Leal escreveu:
David escreveu:Diga-me uma coisa, amado... A Divindade de JEsus é algo que ELe herdou de MAria? Ou seja, Jesus herdou de Maria o fato de já existir antes de ter encarnado? Jesus herdou de Maria o poder de estar onde tem dois ou trÊs reunidos em Seu Nome? Ou será que Ele herdou dela apenas a possibilidade de ter fome, sede e dor?


QUais os ATRIBUTOS que JEsus, como filho de MAria, HERDOU dela, padre?

Se admites que Jesus herdou os atributos humanos de Maria ( pois Ele é um humana completo) entras em contradição com o que disse aqui

David escreveu:Assim, se eu digo que biblicamente, MAria tinha pecados, não o faço para entristecer os colegas, mas apenas transcrevo aquilo que a Bíblia, a Palavra de Deus nos revela através do registro sagrado!

Se Maria tinha pecados, Jesus herdaria porém Ele não tinha pecados em seu ser.. Porque? Porque não herdou da mãe pois ela nao o tinha

Olá, Alan, Paz do Senhor Jesus...


Bem, então pelo seu entendimento os pais de Maria provavelmente não tinham PECADO, afinal, se eles tivessem ela também os teria, e assim os pais de seus pais também, e daqui a pouco chegamos a Adão!

Ora, Alan, JEsus foi CONCEBIDO pelo Espírito Santo. Isto não te diz nada? Ou será que a mãe de Jesus também foi concebida pelo Espírito Santo de Deus?

E segundo seu pensamento Jesus foi concebido no corpo de uma pecadora o que para mim é um absurdo.

Veja bem, abençoado... Segundo o teu entendimento não é absurdo, Maria ser sem pecados, mesmo sendo concebida por um casal de pecadores... Mas para ti, Jesus ser concebido sem pecado, sendo sua mãe pecadora, é ABSURDO... Ora, devemos ter um só peso e uma só medida! Se é "absurdo" Jesus ser concebido por uma pecadora, mesmo sendo Ele concebido por OBRA do Espírito Santo, também o é ABSURDO Maria ser concebida sem pecados vindo de um casal pecador, logo, por consequencia, temos de aceitar que os pais de MAria não teriam pecado...

Maria é uma mulher de grande admiração, ela seguiu os passos de Jesus até o fim. Mesmo vendo seu filho amado sendo injustiçado, humilhado e crucificado ela manteve sua fé nas promessas de nosso Senhor. Se olhares para a situação ela poderia ter gritado, lutado, buscar vingança mas não o fez . Me diga o porquê? Eu sei o porque e talvez você também.

Amado, olhe para o Cordeiro de Deus, que foi para o "matadouro" sem sequer levantar a voz... Olhe para o MEssias de Deus, que se deu por mim e por ti... Ele é quem é realmente o Centro, o Objetivo... É o Sacrifício dEle que proporciona a mim e a ti termos comunhão novamente com o Pai...

"Jesus Cristo" é a Palavra que traduz a mais DOCE EXPRESSÃO DO AMOR!

Lembrem disso!


David
avatar
David

Mensagens : 192
Data de inscrição : 29/09/2009
Localização : Brasil

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Pe. Anderson em Ter Out 20, 2009 5:23 pm

Caro David,

Só comento alguns pontos que voce levantou, bem rapidamente:
Mas a Escritura não faz esta analogia, amado... Onde tem escrito esta analogia?
“Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor? Pois assim que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria no meu seio. Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas!”
A analogia é com Eva, a que aceitou um fruto proibido, um fruto maldito, em comparaçao ao fruto bendito de Maria.

Porei inimizades entre a serpente e a mulher e entre a sua posterioridade e a posterioridade dela” (Gen. 3,15).
Já falamos, um pouco mais atrás, sobre esta "posteridade", padre... ELa não é referência a Maria, é referência a JEsus Cristo! A palavra
do grego koiné, na Septuaginta, "sperma" vertida por "descendência", ou por "posteridade", pode também ser traduzida por SEMENTE! E JEsus veio da SEMENTE de Maria! Não existe motivo para se querer inserir a pessoa da humilde mãe do Salvador aí, pois o Messias era
Aquele que era esperado! A "virgem conceber" era apenas o SINAL da Encarnação do Messias!

A referencia a Maria nesse texto está na palavra “Mulher” e não na posteridade. A posteridade da Mulher é Jesus Cristo, como você bem diz. E dessa forma o texto de Genesis fala do plano de Deus, de enviar seu Filho através de uma mulher. Nos Evangelhos, Jesus sempre chama a sua mãe de “Mulher” (mulher,
eis aí o teu filho”, por exemplo), o que dá mais uma razão ao fato de nós dizermos que os cristãos sempre compararam Maria a Eva, assim como Cristo o
fez. Também São Paulo o fez:

Mas quando veio a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, que nasceu de uma mulher e nasceu submetido a uma lei, a fim de remir os que estavam sob a lei, para que recebêssemos a sua adoção”. Gal 4, 4-5

Aqui São Paulo se refere à uma mulher, através da qual veio o seu Filho único ao mundo, para nos fazer filhos de Deus. Aqui há mais uma referencia à “Mulher ” de Gen 3,15. E quem é essa mulher que colaborou com Deus? A verdadeira Eva, a verdadeira mãe dos viventes. Dessa forma, podemos dizer que assim como uma mulher esteve na origem do mundo, uma outra esteve na origem da segunda criação do mundo em Cristo. Maria é essa mulher que esteve presente com Cristo no momento da sua Encarnaçao e esteve ao seu lado na Cruz, quando Ele se entregava por todos nós. Naquele momento, na Cruz, nascia uma nova humanidade e naquela hora Jesus disse: “Mulher, eis aí o teu filho; e filho, eis aí a tua mãe”. Essa é mais uma referencia de Cristo a Gen 3,15.

Amado, não olhe para dogmas e concílios que contrariam aquilo ensinado pela Escritura! Ela, a Escritura, é superior a qualquer dogma, a qualquer concílio! O dogma e as decisões dos concílios só devem ser aceitos se concordarem com aquilo registrado!
Caro amigo, onde é que o Concílio de Éfeso contraria a Escritura? No fato de afirmar que Maria é a mãe de Jesus, que é verdadeiro Deus? A maternidade divina está explicitamente na Escritura. Todos os protestantes sérios afirmaram o dogma da maternidade divina: Lutero, Calvino, Zwinglio etc

“Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor? Pois assim que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria no meu seio. Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas!”

Senhor é uma palavra que só se aplica a Deus, na Sagrada Escritura. Quando Isabel disse a Maria: “Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?” significa dizer a mãe do meu Deus!
Diga-me uma coisa, amado... A Divindade de JEsus é algo que ELe herdou de MAria? Ou seja, Jesus herdou de Maria o fato de já existir antes de ter encarnado? Jesus herdou de Maria o poder de estar onde tem dois ou trÊs reunidos em Seu Nome? Ou será que Ele herdou dela apenas a possibilidade de ter fome, sede e dor?
Voce não leu com atenção o que eu levei tanto tempo para escrever, meu amigo:
A conclusão que se chegou lá foi que em Cristo as duas naturezas perfeitas estão unidas na única pessoa. E Maria é mãe dessa pessoa e não mãe de uma natureza. Isso não significa que ela é anterior a Cristo ou que ela deu a divindade dele: mas quer dizer que ela é verdadeira e única mãe de Jesus Cristo, a Pessoa única do verbo encarnado. Isso parece difícil entender, mas algo difícil ocorre com todos nós. Nós
recebemos de nossos pais somente nossos corpos, nossas almas vem diretamente de Deus. No entanto, nossos pais são pais de nossas pessoas inteiras e não pais de nossa matéria. O mesmo ocorre com Maria: é verdadeira Mae de Deus por haver gerado o Filho único de Deus no seu seio. Esse foi todo seu privilégio, só ela e Deus Pai geraram a Cristo. O Pai desde toda a eternidade e ela o gerou no sentido que deu a natureza humana a Cristo (junto com a ação do Espírito Santo).
Se a expressão “maternidade divina” parece ambígua (dando a entender que Maria teria dado a divindade à Cristo) o que se deve fazer é esclarecer a ambigüidade, esclarecer o verdadeiro significado da expressão, e não rejeitá-la absolutamente.
Aí é que mora o erro. Ao dizer que Maria é "membro" de Cristo, ao invés de "membro" de Adão, se tenta EXCLUIR que ela tem pecado! E se faz isso sem base bíblica alguma! MEsmo MAria dizendo que o Senhor é seu Salvador!
Voce mais uma vez não leu com atenção o que eu te disse:

Estamos de acordo e também dizemos que Maria descende de Adao. O que sim nós acrescentamos é que, por graça de Deus, Maria é antes
membro de Cristo do que membro de Adão. Em outras palavras, a sua filiação a Adao está subordinada à sua pertença a Cristo.
Como disse Santo Agostinho: "Maria antes de receber a Cristo no seu corpo, ela o recebeu no seu coraçao". Com isso, Santo Agostinho se refere às palavras de Maria ao anjo: "eis aqui a serva do Senho, faça-se em mim segundo a sua palavra". Essas palavras expressam o consentimento pleno de Maria à vontade de Deus.
Não negamos que ela também foi redimida por Cristo. Ao mesmo tempo o anjo disse que ela “encontrou graça diante de Deus” antes mesmo de Cristo ter nascido. Ora, se a graça nos vem depois do sacrifício de Cristo na cruz, como o amigo tão bem nos recorda sempre, e ao mesmo tempo ela recebeu a graça de Deus antes da Encarnação de Cristo, isso significa que Ela foi preparada por Deus para ser a mãe do Salvador, que os méritos do sacrifício do Calvário foram aplicadas a ela antes mesmo da Encarnação do Salvador. Desde o início os cristãos afirmam que a aplicação dos méritos de Cristo à Maria se deu no momento mesmo da sua concepção (e a isso nós chamamos de “Imaculada Conceição”). Deus a liberou de toda manha de pecado antes mesmo da sua concepção. Isso é uma graça de Deus, uma verdadeira salvação dada a Ela por Cristo. Há duas formas de se redimir alguém: perdoando o pecado ou evitando que mancha do pecado toque a pessoa. Nós cremos que o amor filial de Cristo fez isso por Maria. Dessa forma Ele estaria levando a perfeição o quarto mandamento.
É evidente que isso é um ensinamento bíblico. Se nao é assim nos diga: qual foi o pecado que Maria cometeu? Dê-nos algum exemplo, de algum pecado concreto de Maria. Sabemos que Sao Paulo disse que todos pecaram e estao privados da glória de Deus. Mas a Bíblia nos conta algum pecado de Maria? A Bíblia nao tem nenhuma vergonha em dizer pecados de Pedro, dos Apóstolos. E de Maria? Se voce nao cre que a presença da graça de Deus numa alma elimina o pecado, se voce nao cre nas palavras do anjo ditas a Maria "nao temas, porque encontraste graça diante de Deus", "Ave kekareitomenen", entao voce tambem tem que concordar que a Bíblia nao narra nenhum mínimo pecado de Maria.

Há um texto no livro do Papa Bento XVI sobre Jesus Cristo que leva muitas pessoas a pensar. Em certo ponto ele diz: "se os nao cristaos perguntassem a nós cristaos, o que é que o vosso Cristo trouxe ao mundo? Quais sao os benefícios que nós vemos com o cristianismo? Continuamos vendo guerras, morte, destruiçao, violência. O que é que vosso Cristo trouxe de bom a esse mundo". A essa pergunta, nós critaos responderíamos: Jesus Cristo trouxe ao mundo a verdadeira revelaçao de Deus. Ele também, sendo o mesmo Filho de Deus encarnado, trouxe ao mundo o verdadeiro Deus e isso nos basta".

Creio que poderiamos fazer a mesma pergunta em relaçao ao nosso tema: se os nao católicos ou se os nao cristaos perguntassem a nós cristaos católicos, o que é que Maria trouxe ao mundo, nao nao hesitarimos em responder: Ela nos trouxe o verdadeiro Deus feito homem. E isso para nós nos basta. Isso basta para nós termos um verdadeiro amor filial para aquela que trouxe aquele que nós mais amamos. Esse é o grande privilégio de Maria: Ela foi a única que trouxe o verdadeiro Deus ao mundo.

No Antigo Testamento, o rosto de Moisés resplandecia quando ele descia da montanha, logo depois que havia recebido a Palavra de Deus. Se o rosto de Moisés brilhava, se sua carne transmitia a santidade de Deus aos outros, só pelo mero contato com a palavra ouvida de Deus, como nao deveria ser o rosto de Maria, que recebeu no seu seio, que alimentou e cuidou por 9 meses o mesmo Filho de Deus? Qual nao será a santidade que ela nao transmitia. Isso, a mesma Isabel disse: "Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?"

Um grande abraço a todos.
avatar
Pe. Anderson
Admin

Mensagens : 952
Data de inscrição : 10/09/2008
Idade : 35
Localização : Roma

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Flávio Roberto Brainer de em Ter Out 20, 2009 6:52 pm

Caríssimos,
Que a paz do Senhor esteja com todos!

David escreveu:

"Ao dizer que Maria é "Mãe de todo ser vivente" o amado (Pe. Anderson) equipara ela a Deus que é Pai! Só Ele é PAI de todo ser vivente, não EXISTE MÃE, não existe um ser FEMININO na Divindade" (20/10/09 às 3:58 p.m.).

Chamo atenção para algumas reflexões a saber:

Em momento nenhum o Pe Anderson, ao afirmar que "Maria é mãe de todo ser vivente" a equipara a Deus que é Pai. O que ele nos mostra é que Maria, pelo seu "SIM", dando à luz AQUELE QUE VENCEU A MORTE, foi usada por Deus para devolver a vida à humanidade, tornando-se, portanto, a nova mãe dos viventes, considerando que a primeira (Eva), pelo pecado, perdeu essa condição. Observe-se que a palavra Eva (do hebraico - HAVA) quer dizer "mãe dos viventes" (Gn 3,20). Observe-se também que Eva, embora sendo a primeira mãe dos viventes, em momento nenhum foi equiparada a Deus que é Pai. Percebe-se, pois, que o comentário de David foi eivado de malícia, no sentido de denegrir o Pe. Anderson e distorcer-lhe as palavras.

Observe-se, aínda, que o colóquio de David deixa transparecer, salvo engano de interpretação de minha parte, que o Pe. Anderson coloca Nossa Senhora como sendo pertencente à DIVINDADE. Em momento nenhum o Pe. Anderson fez qualquer colóquio neste sentido, nem a doutrina da Igreja Católica assim o ensina. Trata-se de um falso testemunho ou, no mínino, de atribuir ao Sacerdote algo que não é dele, algo que ele não escreveu nem pronunciou.

Convém ressaltar ainda que David expressou no término do seu colóqui que:

"A intenção, amado, não é nunca magoar nem ofender..., acrescentando, nos seus colóquis finais, até um pedido de perdão!

ISSO É ABSURDO E DEVE, NO MÍNIMO, SER RETRATADO !

Estejamos, pois, atentos. Jesus nos diz que é pelos frutos que se conhece a árvore, e se a árvore é dos cristãos, seu fruto é o amor e nunca a hostilidade.

Fiquem com Deus!!!
avatar
Flávio Roberto Brainer de
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 1189
Data de inscrição : 13/09/2009
Idade : 59
Localização : Gravatá - PE

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Flávio Roberto Brainer de em Ter Out 20, 2009 7:17 pm

Maria se tornou mãe dos viventes não segundo a natureza, mas na dimensão espiritual. Ao receber João como presente do seu Filho ao pé da cruz, Maria se torna mãe de todos os cristãos, de todos aqueles que herdaram a vida pelo Sangue do Cordeiro. Assim sendo, negar a maternidade espiritual de Maria é apartar-se da única Igreja de Jesus, pois não existem outras. Jesus só deixou uma e, a esta Igreja, como sinal da unidade, nos ultimos momentos de sua vida, entregou sua própria mãe para que fosse a Mãe da Sua Igreja. São, portanto, os verdadeiros cristãos, aqueles que proclamam Maria "BEM-AVENTURADA", aqueles que a defendem quando o Dragão e os seus descendentes vomitam contra Ela um rio de águas de seus ultrajes e difamações.

Salve, CHEIA DE GRAÇA !!!
avatar
Flávio Roberto Brainer de
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 1189
Data de inscrição : 13/09/2009
Idade : 59
Localização : Gravatá - PE

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Alan em Ter Out 20, 2009 7:52 pm

Olá David

Vamos a alguns esclarecimentos

David escreveu:Bem, então pelo seu entendimento os pais de Maria provavelmente não tinham PECADO, afinal, se eles tivessem ela também os teria, e assim os pais de seus pais também, e daqui a pouco chegamos a Adão!

Ora, Alan, JEsus foi CONCEBIDO pelo Espírito Santo. Isto não te diz nada? Ou será que a mãe de Jesus também foi concebida pelo Espírito Santo de Deus?

David escreveu:Veja bem, abençoado... Segundo o teu entendimento não é absurdo, Maria ser sem pecados, mesmo sendo concebida por um casal de pecadores... Mas para ti, Jesus ser concebido sem pecado, sendo sua mãe pecadora, é ABSURDO... Ora, devemos ter um só peso e uma só medida! Se é "absurdo" Jesus ser concebido por uma pecadora, mesmo sendo Ele concebido por OBRA do Espírito Santo, também o é ABSURDO Maria ser concebida sem pecados vindo de um casal pecador, logo, por consequencia, temos de aceitar que os pais de MAria não teriam pecado...

Partindo da premissa que Deus tudo pode, se for do desejo dEle assim o será, podemos ter um entendimento melhor dos pontos a serem discutidos.

Maria não ter sido tocada pela mancha do pecado não implica em seus antecessores terem tido a mesma graça concedida por Deus. Deus quis e fez com que Maria não fosse tocada pelo pecado.Se analisarmos friamente, seu pensamento subestima o poder infinito de Deus, mas creio que não penses desse modo.

Em relação á Jesus ter sido concebido pelo Espírito Santo, sim isso diz muita coisa... porém com um pouco de lógica à luz da Sagrada Escritura podemos demonstrar o porquê de Maria não ter pecados.

Partindo da nossa premissa inicial, Deus por amor a nós quis que seu Filho viesse ao mundo. Ele veio por amor a nós e passou por tudo por amor a nós. Agora o que lhe parece mais razoável, que um humano sem pecado seja concebido no corpo de um pecador ou que o Filho de Deus seja concebido no corpo de um pecador ? Quando falamos de humanos e Deus temos sim dois pesos e duas medidas, isso é evidente. Agora para finalizar, se Deus tudo pode por que Ele não fez um corpo totalmente glorioso para que seu Filho viesse ao mundo? Simplesmente porque seu Filho quis vir ao mundo como um humano, como um de nós, passando pelo processo de desenvolvimente que os humanos passam porque Ele é apaixonado pelos humanos. Mas para isso Ele precisou de uma pessoa apropriada e escolheu Maria ,antes de seu nascimento ( vide profecias ), para não ser tocada pela mancha do pecado.

David escreveu:Amado, olhe para o Cordeiro de Deus, que foi para o "matadouro" sem sequer levantar a voz...

Obviamente não há comparação entre o que Jesus passou e Maria passaram naquela ocasião, como também não há como comparar Maria com Jesus. É praticamente covardia com ela. Porém colocando num ambito "humano" não tem como desmerecer Maria. Que garota da idade dela quando o Anjo Gabriel veio lhe notificar não tem sonhos , desejos. E ela disse seu sim para Deus deixando tudo isso de lado por amor. Primeiramente amor a Deus e depois amor por toda a humanidade. E nessa humanidade estamos inclusos.. eu , você, todos nós. Desmerecer esse amor seria uma injustiça. Deus amou todos nós antes de nascermos e Maria me amou, lhe amou antes de nascermos pois com seu sim ela nos trouxe a Salvação, o Senhor Jesus Cristo.

O Salvador de Maria foi Jesus Cristo.. isso não negamos... mas a sua salvação veio antes de sua concepção no momento em que Deus profetizou que por uma virgem seu Filho Amado viria ao mundo, e ela foi a escolhida.

Não acreditar no amor de Maria pela humanidade, por nós, por você eu considero uma imensa ingratidão

Paz e bem

Alan
avatar
Alan

Mensagens : 230
Data de inscrição : 05/06/2009
Idade : 31
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

PROTO-EVANGELHO

Mensagem por Flávio Roberto Brainer de em Sex Out 23, 2009 1:34 am

"POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA. ELA TE ESMAGARÁ A CABEÇA E TU LHE FERIRÁS O CALCANHAR' (Gn 3,15)

Gostaria de aprofundar a questao que nós discutiamos no outro tópico. Assim sendo, estou transcrevendo na íntegra o texto que deveria ser divulgado por partes. Desde já peço desculpas se ficou muito longo, mas é que, como afirmei antes, seria enviado por partes.

O PROTO-EVANGELHO
Este versículo do livro do Gênesis é conhecido como o "proto-Evangelho", que quer dizer "primeiro Evangelho. Nele está contido o germe da promessa messiânica. Trata, portanto, da promessa de um Redentor, do anúncio da vitória do Messias nascido de uma Mulher.
A análise do Proto-Evangelho no sentido literal aponta para Eva, a primeira mulher que se deixou seduzir pela Serpente, como sendo a mulher a que o texto se refere. As Sagradas Escrituras identificam Eva como uma virgem que foi seduzida pela Serpente e que esteve sob o seu domínio (Eclo 25,24; 2Cor 11,3; 1Tim 2,14). A partir destes colóquios, não podemos atribuir a Eva a figura da mulher do Proto_Evangelho. Se torna, portanto, necessária a análise do texto no sentido pleno. Esta análise, de maneira mais profunda que no sentido estritamente literal, esclarece vários aspectos que não se apresentaram de forma transparente na descrição do autor. Desta forma se conhece o sentido maior de um texto das Sagradas Escrituras à luz de outros textos das mesmas escrituras que dão um significado mais amplo àquilo que nos parecia restrito.
Para conhecermos o sentido pleno do Proto-Evangelho, servir-me-ei de inúmeras passagens das SagradasEscrituras e, de modo especial, do texto inerente à batalha entre a Mulher e o Dragão descrito no livro do Apocalipse de São João.
Antes, porém, não poderia deixar de tecer alguns comentários inerentes ao gênero literário utilizado pelo seu escritor, comentários estes, de caráter imprescindível para a compreensão de suas revelações.
O Apocalipse foi escrito por São João Evangelista nos ultimos anos de sua vida terrena, quando estava aprisionado na ilha de Patmos. Sua descrição, considerando o momento vivido pelo autor, utilizou-se de uma série de visões e revelações simbólicas, apresentando uma mesma realidade so diferentes símbolos inerentes à história da salvação dos homens, no intuito de dificultar a compreensão por parte dos perseguidores e não cristãos, levando em conta que se fosse escrito numa linguagem comum, dificilmente chegaria ao seu destino. Foi escrito sob a forma de carta dirigida aos cristãos da Asia menor em um período histórico maqrcado pelas perseguições a que os cristãos eram submetidos e que os levava muitas vezes à perda da esperança no retorno glorioso de Jesus. Para se compreender melhor esta questão a respeito do gênero literário do Apocalipse se faz necessário perquirir o Evangelho segundo São João e suas três cartas apostólicas contidas no Novo Testamento, visto que, fora da prisão, o mesmo autor deixa transparente nos seus escritos o seu estilo e o seu gênero literário.
O texto do Apocalipse é uma mensagem sobrenatural marcada por toda uma simbologia que representa tanto o passado, como o presente e o futuro, estimulando os cristãos à perseverança e preparando-os para suportar as perseguições sem desistirem da luta e sem perderem a esperança na vitória final com Cristo, aquele que venceu a morte.
É importrante ressaltar ainda que, no texto do capítulo 12 do Apocalipse, a forma precisa com que São João descreve em cada detalhe a figura da Mãe de Jesus, se deve so seu convívio muito íntimo com ela desde que a levou consigo para sua casa (Jo 19,27). Com certeza, muitas foram as conversas entre ambos a respeito de tudo o que aconteceu na vida de Jesus desde o anúncio do seu nascimento até o dia de sua ascenção aos céus. Ninguem mais do que Maria Santíssima tinha propriedade para descrever a história de Jesus, bem como também, ninguem mais do que São João ouviu a história de Jesus contada por sua própria mãe.
Adentrando no estudo do texto do Apocalipse, compreendemos, de forma óbvia, que a mulher descrita tanto no Proto-Evangelho quanto na luta contra o Dragão é Maria, a mãe de Jesus: "Ela deu à luz um filho, um menino, aquele que deve reger todas as nações com cetro de ferro" (Ap 12,5). Este versículo se torna ainda mais claro quando o analisamos à luz de outros textos das Sagradas Escrituras. Assim, o nascimento de Jesus e o seu governo sobre todas as nações é descrito no livro dos Salmos (Sl 2,7-9) e pelo profeta Isaias (Is 7,14), dentre outras passagens bíblicas. Estas palavras se cumprem com o nascimento de Jesus, conforme descreve São Mateus (Mt 1,18-25). Mais tarde, São Lucas deixa claro que é Jesus, o filho de Maria, aquele que regerá todas as nações (At 13,33). Com a mesma precisão, São Paulo faz referência ao mesmo fato (Hb 1,5;5,5).
A seqüência do texto pocalíptico narra que "a mulher fugiu então para o deserto, onde Deus lhe tinha preparado um retiro para aí ser sustentada por mil duzentos e sessenta dias (...) fora do alcance da cabeça da Serpente" (Ap 12,6.14). Esta passagem se refere à fuga para o Egito, local onde José, avisado pelo anjo do Senhor, levou o menino e sua mãe para lá permanecerem até a morte de Herodes, evitando, dessa forma, que o menino Jesus fosse vítima da matança dos inocentes promovida por Herodes em Belém e no seu entorno (Mt 2,13-16). Note-se, neste caso, que o período que a sagrada família passou no Egito foi de aproximadamente três anos e meio, o que corresponde, também de forma aproximada, ao período de mil duzentos e sessenta dias (Ap 11,3; 12,6) ou, em outros termos, quarenta e dois meses (Ap 11,2), ou aínda, numa linguagem mais simbólica, um tempo, dois tempos e a metade de um tempo (Ap 12,14).
Não há dúvida, portanto, que aquela mulher descrita no Proto-Evangelho é Maria, a mãe de Jesus.
Retornando ao texto do Gênesis, vemos que tal inimizade foi posta em duas dimensões distintas, sendo a primeira inderente à Serpente e a Mulher, e a segunda inerente às descendências de ambas.
A análise do texto no sentido pleno deixa claro, comos vimos anteriormente, que o descendente da mulher é Jesus, implicando, desta forma, necessariamente, sua mãe, Maria Santíssima, visto que pelo conhecimento da genealogia descendente se chega, conseqüentemente, à comprovação da genealogia ascendente. Neste sentido, este estudo aponta para Jesus e para Maria como protagonistas da batalha renhida e da vitória final contra a serpente.
A serpente se constituiu, no texto do gênesis, na forma utilizada por Satanás para proceder ao seu disfarce. Foi através dela que ele seduziu a primeira mulher, colocando no seu coração o mesmo pecado cuja conseqüência lhe custou a queda do paraíso celeste.
Satanás foi um anjo de luz (Lúcifer) criado por Deus para integrar o grupo dos querubins. Entretanto, o orgulho por sua beleza e a inveja o fez rebelar-se contra Deus e ostentar ocupar-lhe o lugar (Is 14,12-14; Ez 28,12-16;Zc 3,1). Expuso do convívio celestial, foi precipitado na terra, conforme descreve o Evangelho: "Disse Jesus: Eu ví Satanás cair do céu como um raio" (Lc 18,10), arrastando consigo a terça parte dos anjos celestiais (Ap 12,4).
As Sagradas Escrituras se servem de vários termos para identificar o anjo decaído: Serpente ((Gn 3,15); Demônio (Sb 2,24); Diabo (Jo 13,2); Tentador (Mt 4,3; 1Tes 3,5); Malígno (1Jo 5,18-19); Príncipe do Mundo (Jo 12,31), Destruidor (Ap 9,11); Acusador e Dragão (Ap 12, 9-12), dentre tantos outros predicados, de modo que todas estas formas de identificação exprimem as características pertinentes à ação proveniente de sua inimizade para com a mulher e sua descendência.
Aquilo que, segundo as Sagradas Escrituras, era ostentado por Lúcifer - Ser semelhante ao Altíssimo (Is 14,14) - Deus concedeu ao homem: "Façamos o homem à nossa imagem e semelhança" (Gn 1,26), de maneira que este fato se constitui na razão maior que levou Satanás a investir contra o homem a fim de que este descaracterizasse aquilo que tinha de mais sublime, que era a imagem e semelhança de Deus.
Tornou-se, pois, necessário, segundo o plano de Deus, que a Eva do Gênesis, destituida da imagem e da semelhança do Criador, fosse substituida por uma virgem cheia de graça (Lc 1,28), que daria à luz a uma nova geração. Nela o Verbo de Deus se fez carne (Jo 1,14) e trouxe aos homens a redenção de todo o pecado (Sl 129,7; Rm 3,24; Ef 1,7; 4,30; Col 1,14; Hb 9,12). Eis, portanto, a causa maior da inimizade da serpente para com a mulher. Esta relação entre Eva e a Mãe de Jesus a partir do sentido pleno das Sagradas Escrituras levou muitos cristãos a várias reflexões que referendam a definição exegetica de que Maria é a mulher do Proto-Evangelho.
No ano 165, São Justino afirma que "Eva era uma virgem incorrupta que, concebendo a palavra da Serpente, gerou a desobediência e a morte para a humanidade. A Virgem Maria, porém, concebeu fé e alegria quando o Anjo Gabriel lhe anunciou a Boa Nova" Estas palavras foram complementadas por Santo Irineu no ano 202 no seguinte teor: "Como Eva, que tendo-se feito desobediente, se tornou causa de morte tanto para si quanto para todo o gênero humano, também Maria, obedecendo, tornou-se causa de salvação tanto para si quanto para todo o gênero humano. (...) O nó da desobediência de Eva foi desatado pela obediência de Maria. (...) O que a virgem Eve ligou pela incredulidade, a Virgem Maria desligou pela fé."
Mais tarde, no ano 403, Santo Epifânio afirma que: "Numa consideração exterior e aparente, dir-se-ia que de Eva derivou a vida de todo o gênero humano sobre a terra. Mas na verdade, é de Maria que deriva a verdadeira vida para o mundo. É Ela que dá à luz o Filho Vivente. Portanto, o título de "Mãe do Viventes" queria indicar, na sombra e na figura, a pessoa de Maria, Mãe de Jesus". O título de "Nova Eva" considera que Maria é a mulher "Mãe dos Vivos", pois foi ela que deu à luz o seu filho Jesus, o Vencedor da Morte, aquele que é a cabeça do Corpo Místico de Cristo que é a Igreja (Ef 1,22-23; 4,15; 5,23; Col 1,18; 2,19; 1Pd 2,25). Desta forma, ao dar à luz àquele que é a cabeça da Igreja, do Corpo Místico de Cristo, Maria, misticamente, se torna também Mãe da Igreja, ponderando que aquela que dá à luz à cabeça, também o dá ao corpo na sua totalidade, na sua integralidade.
Esta relação entre Eva e a Mãe de Jesus é também referendada pelo Concílio Ecumênico Vaticano II, considerando a descrição das Sagradas Escrituras no seu sentido pleno e associando estes estudos exegéticos ao testemunho dos santos.
De semelhante maneira, a Constituição Apostólica Munificentissimus Deus (definição dogmática da assunção de Maria ao céu) proclamada pelo Papa Pio XII em 1950, leva em considração que desde o século II a Virgem Maria é reconhecida como a "Nova Eva", intimamente unida ao "Novo Adão" (Rm 5, 12-19) na luta contra o demônio, luta esta que, profetizada no Proto-Evangelho, terá o seu final na vitória completa sobre o pecado e sobre a morte (Is 25,8; Os 13,14; Rm 5,6; 1Cor 15,21-26.54-57). Esta relação EVA/MARIA é também citada no nº 55 da Constituição Dogmática Lumen Gentium (sobre a Igreja), no nº 11 da Carta Encíclica Redemptoris Mater (sobre a Bem-Aventurada Virgem Maria na vida da Igreja que está a caminho) e no nº 19 da Carta Apostólica Muliewris Dignitatis (sobre a mulher na Igreja).
Percebe-se, então, que as Sagradas Escrituras, a Tradição e o Magistério da única Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, com a mais absoluta propriedade, afirmam que Maria Santíssima é a Mulher que, junto com a sua descendência que é a Igreja, o Corpo Místico de Cristo, esmagará a cabeça da Serpente.
Sabemos que a Serpente é o Lúcifer, aquele "anjo decaído", aquele Dragão que arrastou com sua cauda a terça parte dos anjos celestiais quando foi precipitado sobre a terra (Ap 12,4). Sabemos também que a Mulher que recebeu a inimizade da Serpente é aquela que deu à luz um filho que regerá todas as nações (Sl 2,7-9; Is 7,14; Mt 1,18-25; At 13,33; Hb 1,5; 5,5; Ap 12,5), que fugiu para o deserto a fim de preservar a vida do seu filho longe do alcance da Serpente (Ap 12,6.14; Mt 2,13-16), que é cheia de graça (Lc 1,28), que todas as gerações a proclamarão Bem-Aventurada (Lc 1,48). Da mesma forma sabemos que a descendência da Mulher é a Igreja, o Corpo Místico de Cristo (Ef 1,22-23; 4,15; 5,23; Col 1,18; 2,19; 1Pd 2,25), os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus (Ap 12,17).
Conhecer com maior precisão a descendência da Serpente a que se refere o Proto-Evangelho é uma tarefa que exige um profundo estudo das Sagradas Escrituras perquirindo minuciosamente cada detalhe como fonte do discernimento dos espíritos enquanto dom ou carisma sobrenatural recomendado pelo apóstolo São Paulo (1Cor 12,10).
Satanás, como já vimos antes, teve sua origem no fato de, pelo seu orgulho, inveja e soberba, se opor a Deus. Assim, ele fragmentou o corpo dos querubins e, precipitado sobre a terra, disfarçado de várias maneiras, se ocupou também de corromper a humanidade e assim permanece até que chegue o dia da volta gloriosa de Jesus, quando se dará a sua derrota definitiva. Na terra ele cumpre o seu propósito no sentido de engrossar as fileiras de sua legião que, antes constituida por um grande número de anjos decaídos, vem se multiplicando com a adesão de espíritos humanos da mesma forma decaídos e destituidos da glória de Deus.
O povo de Deus foi escravisado pelos faraós no Egito, conforme narram as Sagradas Escrituras. Da mesma forma, no percurso da vida de Jesus, a fuga da sagrada família para o Egito foi a alternativa para que o menino Jesus fosse poupado das morte dos inocentes institucionalizada por Herodes. De semelhante maneira, as passagens bíblicas a respeito da paixão de Cristo comprovam estra realidade nas atitudes de Caifás e de Pilatos, dentre tantas outras pessoas que constituiam o conjunto dos poderosos daquela época, cujo resultado foi a morte do Salvador que, por longo período se tornou extensiva a muitos cristãos desde o início da Igreja. Assim sendo, revendo a história, encontramos muitas pessoas, reinados, impérios, governos e instituições comprometidas com o demônio e, portanto, contra Deus. Em outras palavras, Satanás que, outrora se fez disfarçar em pessoas e instituições civis e inclusive "religiosas" para cumprir o seu propósito de seduzir a humanidade promovendo a personificação dos poderes do mal.
Jesus nos advertiu para essa realidade afirmando que "se levantarão falsos cristos e falsos profetas, que farão milagres a ponto de seduzir até mesmo os escolhidos" (Mt 24,24). Em outra passagem Ele nos diz: "Cuidai que ninguem vos engane. Muitos virão em meu nome dizendo: sou eu. E seduzirão a muitos" (Mc 13,5-6). Estas afirmações de Jesus comprovam que Satanás e seus seguidores se servirão até mesmo do nome de Jesus, o que já estava previsto no decálogo: "Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em prova de falsidade, porque o Senhor não deixará impune aquele que pronuncia o seu nome em favor do erro" (Ex 20,7; Dt 5,11).
Nas duas cartas, São João nos ensina como discernir se os espíritos são de Deus. Naquele tempo ele já afirmava que os Anticristos estavam no mundo se referindo aos falsos profetas, aos que deturpam a Palavra de Cristo, aos que caminham sem rumo e propagam doutrinas diferentes da que nos deixou o Salvador (1Jo 2,18-19; 4,1-6; 2Jo 7-11).
Da mesma forma que Lúcifer saiu dentre os querubins que eram componentes do corpo celestial, São João afirma que os Anticristos sairam do meio dos cristãos, mesmo que não o fossem cristãos, pois certamente, eram inimigos disfarçados que se portavam como se fossem cristãos. Assim, no ano de 1054, Miguel Celurário, saindo da Igreja, deu origem ao cisma que dividiu a Igreja em Oriente e Ocidente. Da mesma forma, no início do século XVI a "Reforma" promovida por Martinho Lutero dividiu mais uma vez a única Igreja de Cristo, incrementando o protestantismo que foi se desenvolvendo progressivamente com o surgimento de Calvino, Zwingi e tantos outros que trataram de fragmentar o Corpo Místico de Cristo fundando seitas cada vez mais desunidas e separadas aos milhares como estamos presenciando nos dias atuais, quando o maior desejo de Jesus em relação à sua Igreja se trata da UNIDADE (Jo 17). Esta unidade é um dos maiores sinais que apontam para a única e verdadeira Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Neste incontável número de seitas criadas pela falta de unidade, as atitudes de desprezo e de difamação para com a Mãe de Jesus são constantes, se configurando, portanto, como o rio de agua que é vomitado pelo Dragão, pela antiga Serpente e pela sua descendência, no intuito de fazer submergir a Mulher (Ap 12,15) e como demonstraçõ muito evidente do ódio que a Serpente e sua descendência potagonizam contra a Mãe de Deus e contra aqueles que, como membros efetivos do Corpo Místico de Cristo que é a sua única Igreja, tornaram-se descendentes da Mãe do Senhor e proclamam-na BEM_AVENTURADA, como mandam as Sagradas Escrituras: "Por isto, desde agora, me proclamarão BEM-AVENTURADA todas as gerações" (Lc 1,48).
A pessoa de Nossa Senhora é, portanto, a Mulher do Proto-Evangelho (Gn 3,15) que aparece como um grande sinal no céu (Ap 12). Da mesma maneira que o Proto-Evangelho descreve, no início da história da Salvação, o combate entre a serpente e a Mulher incluindo as descendências de ambas, o triunfo final da Igreja de Cristo descrito no Apocalipse não poderia excluir a Mãe de Jesus da festa da vitória final. Com efeito, da mesma forma como não pode se conceber a origem da Igreja de Cristo sem a presença de sua mãe, Maria Santíssima, o seu triunfo não se dará sem Ela. Ela, como a "Nova Eva", tornou-se, por mercê de Deus, a Mãe de todos os viventes que, aceitando o seu Filho Jesus como Salvador, receberam-na como Mãe e proclamam-na BEM-AVENTURADA. É exatamente nesta proclamação que são identificados aqueles que pertencem à descendência da Mulher, a única Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, os filhos da Doce, Humilde, Bem-Aventurada e Sempre Virgem Maria!
Sejamos, pois, aqueles que proclamam Maria BEM-AVENTURADA !!!
Meus agradecimentos ao Pe. Anderson, Ju Maria, Thiago e Alan, bem como São Vieira e David pela valiosa contribuição durante o tempo em que esteve funcionando o tópico "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3,15) por mim idealizado. Agradeço também a todos os que visitaram o tópico neste curto espaço de tempo.
Que Deus abençoe a todos.
Fiquem com Deus !!!!!
Flávio Roberto Brainer de Oliveira
avatar
Flávio Roberto Brainer de
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 1189
Data de inscrição : 13/09/2009
Idade : 59
Localização : Gravatá - PE

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Flávio Roberto Brainer de em Sex Out 23, 2009 8:41 am

Caríssimos,

Que a paz do Senhor esteja com todos!!!

A síntese do meu pensamento de acordo com as Sagradas Escrituras, a Tradição e o Magistério da Igreja se encontra no tópico "O PROTO-EVANGELHO".

Abraços...

Fiquem com Deus!
avatar
Flávio Roberto Brainer de
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 1189
Data de inscrição : 13/09/2009
Idade : 59
Localização : Gravatá - PE

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por alessandro em Seg Out 26, 2009 10:18 am

Tópicos fundidos.

Perdão pela demora...

_________________
Só vale a pena viver pelo que vale a pena morrer!!!
avatar
alessandro
Tira-dúvidas oficial

Mensagens : 750
Data de inscrição : 16/08/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Leitura Católica dos textos Bíblicos referidos à Maria.

Mensagem por Pe. Anderson em Sex Nov 20, 2009 4:31 pm

Caros amigos,

Vamos postar aqui o que o Concílio disse de Maria, a partir dos textos bíblicos referidos à Ela e a Cristo. Creio que isso pode complementar esse tópico. Esse texto manifesta como os cristaos sempre leram esses textos bíblicos. É uma verdadeira leitura em família da Sagrada Escritura, que nos une aos cristaos de todos os tempos.






Maria na Anunciação



Mas o Pai das misericórdias quis que a aceitação, por parte da que Ele
predestinara para mãe, precedesse a encarnação, para que, assim como uma mulher
contribuiu para a morte, também outra mulher contribuisse para a vida. É o que
se verifica de modo sublime na Mãe de Jesus, dando à luz do mundo a própria
Vida, que tudo renova. Deus adornou-a com dons dignos de uma tão grande missão;
e, por isso, não é de admirar que os santos Padres chamem com frequência à Mãe
de Deus «toda santa» e «imune de toda a mancha de pecado», visto que o próprio
Espírito Santo a modelou e d'Ela fez uma nova criatura (175). Enriquecida,
desde o primeiro instante da sua conceição, com os esplendores duma santidade
singular, a Virgem de Nazaré é saudada pelo Anjo, da parte de Deus, como «cheia
de graça» (cfr. Luc. 1,28); e responde ao mensageiro celeste: «eis a escrava do
Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra» (Luc. 1,38). Deste modo, Maria,
filha de Adão, dando o seu consentimento à palavra divina, tornou-se Mãe de
Jesus e, não retida por qualquer pecado, abraçou de todo o coração o desígnio
salvador de Deus, consagrou-se totalmente, como escrava do Senhor, à pessoa e à
obra de seu Filho, subordinada a Ele e juntamente com Ele, servindo pela graça
de Deus omnipotente o mistério da Redenção. por isso, consideram com razão os
santos Padres que Maria não foi utilizada por Deus como instrumento meramente
passivo, mas que cooperou livremente, pela sua fé e obediência, na salvação dos
homens. Como diz S. Ireneu, «obedecendo, ela tornou-se causa de salvação, para
si e para todo o género humano» (176). Eis porque não poucos, Padres afirmam
com ele, nas suas pregações, que «o no da desobediência de Eva foi desatado
pela obediência de Maria; e aquilo que a virgem Eva atou, com a sua
incredulidade, desatou-o a virgem Maria com a sua fé» (177); e, por comparação
com Eva, chamam Maria a «mãe dos vivos»(178) e afirmam muitas vezes: «a morte
veio por Eva, a vida veio por Maria» (179).





Maria na
infância de Jesus

Esta associação da mãe com o Filho na obra da salvação, manifesta-se
desde a conceição virginal de Cristo até à Sua morte. Primeiro, quando Maria, tendo partido solicitamente para visitar Isabel, foi por ela chamada
bem-aventurada, por causa da fé com que acreditara na salvação prometida, e o
precursor exultou no seio de sua mãe (cfr. Luc. 1, 41-45); depois, no
nascimento, quando a Mãe de Deus, cheia de alegria, apresentou aos pastores e
aos magos o seu Filho primogénito, o qual não só não lesou a sua integridade,
mas antes a consagrou (180). E quando O apresentou no templo ao Senhor, com a
oferta dos pobres, ouviu Simeão profetizar que o Filho viria a ser sinal de
contradição e que uma espada trespassaria o coração da mãe, a fim de se
revelarem os pensamentos de muitos (cfr. Luc. 2, 34-35). Ao Menino Jesus, perdido
e buscado com aflição, encontraram-n'O os pais no templo, ocupado nas coisas de
Seu Pai; e não compreenderam o que lhes disse. Mas sua mãe conservava todas
estas coisas no coração e nelas meditava (cfr. Luc. 2, 41-51).





Maria na vida pública e na paixão de Cristo
Na vida pública de Jesus, Sua mãe aparece duma maneira bem marcada logo
no princípio, quando, nas bodas de Caná, movida de compaixão, levou Jesus
Messias a dar início aos Seus milagres. Durante a pregação de Seu Filho,
acolheu as palavras com que Ele, pondo o reino acima de todas as relações de
parentesco, proclamou bem-aventurados todos os que ouvem a palavra de Deus e a
põem em prática (cfr. Mc. 3,35 e paral.; Luc. 11, 27-28); coisa que ela fazia
fielmente (cfr. Luc. 2, 19 e 51). Assim avançou a Virgem pelo caminho da fé,
mantendo fielmente a. união com seu Filho até à cruz. Junto desta esteve, não
sem desígnio de Deus (cfr. Jo.19,25), padecendo acerbamente com o seu Filho
único, e associando-se com coração de mãe ao Seu sacrifício, consentindo com
amor na imolação da vítima que d'Ela nascera; finalmente, Jesus Cristo,
agonizante na cruz, deu-a por mãe ao discípulo, com estas palavras: mulher, eis
aí o teu filho (cfr. Jo. 19, 26-27) (181).





Maria depois
da Ascensão

Tendo sido do agrado de Deus não manifestar solenemente o mistério da
salvação humana antes que viesse o Espírito prometido por Cristo, vemos que,
antes do dia de Pentecostes, os Apóstolos «perseveravam unânimemente em oração,
com as mulheres, Maria Mãe de Jesus e Seus irmãos» (Act. 1,14), implorando
Maria, com as suas orações, o dom daquele Espírito, que já sobre si descera na
anunciação. Finalmente, a Virgem Imaculada, preservada imune de toda a mancha
da culpa original (198), terminado o curso da vida terrena, foi elevada ao céu
em corpo e alma (183) e exaltada por Deus como rainha, para assim se conformar
mais plenamente com seu Filho, Senhor dos senhores (cfr. Apoc. 19,16) e
vencedor do pecado e da morte (184).



Grande abraço a todos.
avatar
Pe. Anderson
Admin

Mensagens : 952
Data de inscrição : 10/09/2008
Idade : 35
Localização : Roma

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER, ENTRE A TUA DESCENDÊNCIA E A DELA" (Gn 3, 15)

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum